Será que a “nova classe média” vai reagir igual aos baixa renda que recebem bolsa família?

Nos últimos anos tenho visto, lido e ouvido alguns políticos falarem sobre como achegarem à classe média, e ou ao grupo de pessoas que tem um certo grau de renda, conhecimento, educação, acesso a bens, serviços, internet, e etc.

Este grupo de pessoas, famílias, ajuntamento, grupo … já tem um nome: NOVA CLASSE MÉDIA. Quem é que faz parte desta nova nomenclatura? Quem são e o que querem os novos emergentes desta NOVA CLASSE MÉDIA? Há muitas respostas e muitos caminhos a serem apontados. O governo Dilma até estabelece uma margem em valores em reais. Dizem ai que a partir de trezentos e poucos reais já se pode considerar ser de alguma classe média.

Há quem aponte e acredite no que diz o povo do governo e nas grandes transformações sociais, milhões de famílias que saíram de um patamar social e migraram para outra, aliás, é uma repetição constante: “O governo Lula e Dilma tiraram mais de xis milhões de família da miséria”, “este governo é responsável por mais de 40 milhões de pessoas que acessaram a classe média … ” e por ai.

Fato é, que, o que meu pai fez, o que minha mãe fez, o que eu fiz ao longo destas décadas de estudos, trabalho, esforço, aperfeiçoamento, atualização, ser favorecido com as privatizações, com bens e serviços  … tudo isto, é computado como sendo ação exclusiva do governo e à intervenção política. É verdade que a estabilização da moeda, salário mínimo, baixa inflação, acesso a educação, cartão de crédito, acesso a medicamentos e médicos, acesso a muito mais que a economia de mercado, o direito a propriedade, a democracia e o capitalismo fez por si. Tudo isto é contabilizado pelo governo como sendo ação direta e efetiva dele.

Hoje está mais fácil comprar motos, carros, financiar casas, comprar viagens, fazer turismo. Isto é por causa do governo ou por que o capitalismo e economia de mercado assim é? Voltando à politica e a aproximação idealizada pelos políticos eis que hoje, neste link: Vale Cultura… pode pagar TV por assinatura, leio que o governo toma a iniciativa de adular a nova classe média, ou querer fazer com quem ganha alguns salários mínimos receberá alguns trocados e poderá, até pagar a fatura da TV por assinatura.

governoDilma

Em minha opinião, o governo está agindo como faz com o Bolsa Família. Está o governo apostando que todas as classe são iguais. Está agindo como que a educação, o acesso a informação, e toda a diferença que supõe existir entre as classes não exista.

Será que a classe social dos que ganham até 5 salário mínimos agirão da mesma maneira como os brasileiros pobres e em sua maioria nordestino, semialfabetizados, analfabetos ou analfabetos funcionais?

Será que é mesmo esta a intenção do governo em dar R$ 50,00 dizendo ser este para a cultura, e induzindo-os a aplicar em uma assinatura de TV?

Que tipo de acordo, ação, contribuição as TVs e empresas do ramo deu aos políticos para receberem esta retribuição?

Você que vai ser contemplado qual é sua opinião. Agirá como alguns nordestino que conheço que votaram em Lula, e elegeram Dilma por causa do Bolsa Família? Está o governo ampliando os limites de seu curral, e sabe que, distribuir dinheiro é de fato uma grande estratégia para se ganhar votos?

Eu vejo com desconfiança esta aproximação em que já estabelecem um valor e sua destinação: R$ 50, para a cultura, e se você quiser uma sugestão, pague a fatura da TV por assinatura.

Por outro lado, se você quiser se sentir confortado, é só lembra o que Lula disse: “Não tem coisa mais fácil do que cuidar de pobre, no Brasil. Com dez reais, o  pobre se contenta; rico não, por mais que você libere, quer sempre mais, nunca  se conforma”Mais fácil governar para pobres.

  • Não sei se aconteceu uma valorização do governo Dilma para cá;
  • Se esta classe média se contentará com R$ 50,00 para se gasto com a cultura;
  • Se, com a inflação atual, com a crise vigente, é de fato este o valor para satisfazer a nós pobres.

Seja como for, parece-me que este governo aposta sempre na distribuição de bolsas e recursos para se ampliar o curral eleitoral.

E você, vai reeleger a mulher por causa da bolsa cultura, que poderá até pagar a TV a cabo?

Numeros reais do Governo Federal

Recebo regularmente as informações da Contas Abertas Newsletter. É desta fonte que aponto os números abaixo do governo federal.

  • 200 bilhões de Restos a pagar em 2013;
  • 12,4 bilhões foi resgatado do Fundo Soberano para o Superávit Primário;
  • 2,3 bilhões tiveram que ser resgatado do BNDES para ajudar o SP;
  • 4,6 bilhões a Caixa Econômica teve que repassar para cobrir o buraco;

Outra realidade em números:

A situação é esta. Os números estão ai com suas justezas e clarezas. Este governo investe pouco, gasta muito, e ainda para cumprir as metas de Superávits Primário e outros tem que recorrer a truque contábil.

Por fim estes números finais:

PIB: 0,98% – Popularidade: 78% – Apoio: 62%

Tem muitas coisas erradas, estranhas acontecendo. Tudo muito questionáveis, porém, é assim que este país tem vivido estes anos todos: “analgésicado”, embasbacado, extasiado, porém, sem sintomas de estar pasmado, boquiaberto, atónito: enganado e feliz!

Diferenças entre inteligentes e ignorantes com iniciativas!

Não é um texto inédito. Eu já o havia recebido antes. Mas, esta versão do texto foi ligeiramente modificado para as eleições municipais que ocorrerão daqui a alguns dias. Eu reproduzo abaixo.

Dizem que Napoleão Bonaparte classificava seus soldados em quatro tipos:

  1. Os inteligentes com iniciativa;
  2. Os inteligentes sem iniciativa;
  3. Os ignorantes sem iniciativa e
  4. Os ignorantes com iniciativa.
  • Aos inteligentes com iniciativa, Napoleão dava as funções de comandantes gerais … estrategistas.
  • Os inteligentes[bb]sem iniciativa, Napoleão deixava-os como oficiais para receberem ordens superiores … para cumpri-las com diligência.
  • Os ignorantes sem iniciativa, Napoleão os colocava na frente da batalha[bb]buchas[bb]de canhão, como dizemos.
  • Os ignorantes com iniciativa[bb], Napoleão os odiava e não os queria em seus exércitos.

 

  1. Um ignorante com iniciativa é capaz de fazer besteiras enormes e depois dissimuladamente, tentar ocultá-las.
  2. Um ignorante com iniciativa faz o que não deve, fala o que não deve, até envolve-se com quem não deve e depois diz que não sabia.
  3. Um ignorante com iniciativa faz perder boas ideias, bons projetos, bons clientes, bons fornecedores, bons homens públicos.
  4. Um ignorante com iniciativa produz sem qualidade, porque resolve alterar processos definidos e consagrados.
  5. Um ignorante com iniciativa é, portanto, um grande risco para o desenvolvimento e o progresso de qualquer empresa e governo.
Não precisamos deles, nem Napoleão os queria. Você identifica em sua vida, em sua empresa e no governo os quatro tipos de soldados de Napoleão? E o que faz com cada tipo?

Você sabe livrar-se dos ignorantes com iniciativa? Faltam meses para as eleições municipais!

Este é o momento certo de aprender a fazer tais diferenças.

[lomadeewpro category=’3482′ keywords=’politica, tucanos, petralhas, partidos, eleições’]

Governo da Bahia: Os melhores salários para péssimos servidores

[lomadeewpro category=’3482′ keywords=’partidos, politicos, politica, corrupção, Brasil’]

O governo da Bahia, através de insistentes notas sobre a greve dos professores tem revelado um método de combate aos movimentos grevistas e de enfraquecimento dos sindicatos. Está estabelecido o método. Eu já escrevi sobre isto antes, e agora, com um novo elemento, volto ao tema.

Relembrando a greve da PM.

Por ocasião da greve da PM nos meses iniciais de 2012 o governo inaugurou o método. Até então, quase não se sabia, ou quase nunca se usava tal método: a propaganda, as notas, e a divulgação[bb]dos salários como argumento favorável ao governo, bem como, a comparação com os salários de outros Estados. E, agora é a tática do governo dizer que os grevistas estão reclamando sem motivos.

Na ocasião, se divulgou que um Policial Militar, trabalhando para o governo da Bahia, tem salário maior do que outros policiais trabalhando em, por exemplo: São Paulo e Paraná. Curiosamente, subliminarmente, comparativamente[bb]o que o Governo da Bahia faz, é dizer que a PM da Bahia governado pelo PT paga melhor a seus policiais do que os Estados administrados pelos partidos de oposição.

O Governador da Bahia por sua assessoria de imprensa poderia, por exemplo, dizer que a PM da Bahia ganha muito mais do que os brigadianos do Rio Grande do Sul, mas, lá! O governador também é do PT, não vai querer comprar briga, nem fazer comparações com eles, evidente!. Ele quer mesmo dizer que os PM estão ganhando mais do que os Estados de SP e do PR porque são Estados administrados por partidos de oposição, e também, são Estados ricos, com os melhores índices de criminalidade, e assim, joga para a sociedade baiana a ideia de que, a violência na Bahia – das maiores entre todos os Estados – não pode ser contabilizado por que o governo paga pouco aos policiais, e sim, por culpa da própria PM, de seus administradores, seus componentes.

Tá claro e evidente esta mensagem.

A Greve dos Professores.

A greve dos professores[bb]também tem sofrido tal ataque do governo de Jacques Wagner. Durante a programação da TV na Bahia, tem-se repetido insistentemente uma nota dizendo que o salário médio – veja bem, não são todos os professores – é a média dos salários pagos pelo governo da Bahia é de R$ 3.460,00. O governo não informa a população corretamente. Ele usa um subterfugio para obter vantagem. O que informa é que MÉDIA DOS SALÁRIOS é este. Não que TODOS dos professores que trabalham 40 horas recebem este valor.

Assim, a população, começa a questionar a categoria. Se ganham mais de cinco salários mínimos para trabalhar 40 horas semanais por que motivos os professores estão em greve? Que mercenários hein? Mais uma tática do governo, tem sido comparar os aumentos dados a outras categorias. Fulano! Nós acertamos 6%. Cicrano 7%. Beltrano 6.5% Só os professores que querem 22%. Não podem! Não tem como.

Por outro lado, ficamos com as seguintes certezas, se crermos nas propagandas do Governo do PT e do governador Jacques Wagner:

1 – Os altos índices na criminalidade[bb]não são por que o governo paga mau aos policiais. O governo paga melhor do que os Estados mais ricos do país, e que são governados pelos opositores.

Contra argumento: Como é que São Paulo e Paraná, pagando menos a seus PMs conseguem obter melhores indicies de combate a criminalidade e melhores índices na segurança pública? Estranho, pois, ai, cai aquela ideia de que profissionais que ganham mais, sentirão mais valorizados e trabalharão mais satisfeito, produzindo mais. Aplicado na PM da Bahia, não é a regra!

2 – Os baixos índices na educação básica na Bahia é também culpa da categoria dos professores, pedagogos, licenciados. Afinal eles ganham bem, trabalham mal e exigem muito.

As contradições

No site “Politica Livre” leio a seguinte frase: “estamos entre os sete estados que melhor pagam” – Segundo o site, dita pelo governador Jacques Wagner. Por outro lado, a Bahia está entre os piores Estados quando o assunto é Analfabetismo. Com os dados do ano de 2011. Ou seja, a ilação é clara. Pagar melhores salários aos professores não é garantia de que eles trabalharão e apresentarão melhores resultados e melhor qualidade no ensino.

A qualidade da educação é inversamente proporcional ao salário dos professores. O Estado é um dos sete que melhor paga, e é um dos nove com piores índices da educação básica. (Veja aqui: Por que o Brasil não consegue alfabetizá-la?). Inversamente também é a situação da segurança. O Estado paga salário melhor do que São Paulo e Paraná (Oposição) e tem um dos piores índices de mortes, assassinatos, roubos e outros delitos.

Opinião Pública

Outra parte da estratégia do PT no governo do Estado é a manipulação da opinião publica por meio de diversos meios de comunicação, é fazer enfraquecer os movimentos grevistas com a tática de isolamento e sensação de estarem reduzidos a poucos descontentes.

Também na TV, nos jornais, e nas revistas e no website do governo da Bahia temos o seguinte mapa e com esta legenda: “Em 265 municípios baianos, todas as escolas da rede estadual de educação estão funcionando normalmente. Os dados são do dia 06/06/2012”

O governo do PT na Bahia, na pessoa do Jacques Wagner implantou a sua agenda de truculência, de afastamento completo de suas bases, contrário ao que sempre pregou: apoio e governo voltado para o trabalhador, descompromisso com o dialogo. Bem, foi este governo que os professores também se esforçaram para eleger.

É esta a situação!

E a constatação óbvia é:

  • Melhores salários não garantem qualidade, satisfação e bons serviços na segurança pública do Estado Bahia.
  • Melhores salários não garantem qualidade, satisfação e bons serviços na EDUCAÇÃO pública do Estado Bahia.

Afinal, segundo o governo, temos baixíssimos índices na segurança e na educação, com os servidores públicos[bb]com melhores salários.

“Data vênia máxima” o povo baiano votou no partido e votou no governador.

Dilma nos EUA e a conversa entre os IGUAIS!

[lomadeewpro category=’93’ keywords=’samsung, sony, nikon, pixel, mptudo’]

Em 1985/1986 eu adentrei às portas do Adventismo do Sétimo dia. Entre as muitas doutrinas e interpretações proféticas estudadas nos 19 anos em que fui sectário deste movimento alguns conhecimentos estão atualmente sendo sacudidos. Em especial o papel dos Estados Unidos da América no Mundo e nas interpretações das profecias de Daniel e do livro do Apocalipse. Por mais de uma década, eu e vários amigos estudávamos as profecias bíblicas e nestas, os Estados Unidos da américa era a representação da segunda besta do apocalipse, aquela que erige uma imagem à primeira besta.

Um dos pontos mais importantes da profecia é este:

“Quando as principais igrejas dos Estados Unidos, ligando-se em pontos de doutrinas que lhes são comuns, influenciarem o Estado para que imponha seus decretos e lhes apoie as instituições, a América do Norte protestante terá então formado uma imagem da hierarquia romana, e a aplicação de penas civis aos dissidentes será o resultado inevitável.” – O Grande Conflito p. 445. – (Grifo meu).

Em longos estudos debatíamos como é que a nação americana sairia de seus trilhos democráticos para se tornar o que a Ellen White afirmava em seus livros. Porém, os eventos recentes em que a sociedade americana tem guinado para um radicalismo social (Tea party), se percebe que é bem possível que exista mesmo uma mudança social e política.

Nas últimas décadas tenho acompanhado a história americana e nada mais me espanta. Atualmente a nação mais poderosa do norte tem se tornado aquilo que os esquerdistas brasileiros e o antiamericanismo latino tem se regozijado pois pensam e veem a decadência desta nação que já foi a maior potência deste mundo. Hoje, resta-lhe apenas o poderio bélico. Esta visão, em minha opinião é só um delírio esquerdista.

Muitos analistas[bb] estão sem saber apontar qual será a importância do país no futuro próximo do planeta. As eleições de agora apontam para um retrocesso quanto a vários pontos. A eleição do Barak Obama, segundo minha analise, não surtiu o efeito do Yes! We Can.  Obama Fracassou em sua missão que foi alimentada por fé e esperança. Vi na eleição dele uma tentativa de: “vamos tentar mais este, é nossa última esperança”. Porém, não esqueçamos que foi no governo dele que o terrorista foi localizado e executado.

No entanto, apesar da baixa popularidade[bb], parece-me que o povo americano sente saudades do pai e do filho Bush. Sentem e gostariam da volta do Clinton. Que o R. Reagan pudessem ressurgir. Eles desconfiam que é o Michael Jackson quem tinha razão: “But if Roosevelt was living He wouldn’t let this be.” (They Don’t Care About Us – Michael Jackson[bb]). Ou seja, os movimentos americanos apontam para o descontentamento político, cultural, social, econômico, bélico e todos os demais segmentos sociais, culturais, econômicos, e de valores éticos e morais. Nunca antes se via, ouvia e lia sobre os EUA em situação tão deplorável. Agora se vê, se ouve e se fala em pobres, desempregados, miséria, educação em ruínas, doenças, e, que em breve deixará de ser a nação mais rica, e poderosa do planeta.

Ditante de tudo isto acima citado, sabe o que não tem preço? Ler a declaração abaixo:

Temos que reconhecer a importância da economia dos Estados Unidos, que possui importantes características neste mundo multipolar que está surgindo: uma imensa flexibilidade, uma enorme liderança em ciência, tecnologia e inovação, e suas raízes democráticas“, disse Dilma ao ressaltar “o importante papel que a economia americana segue desempenhando na América Latina”. – Dilma exige pé de igualdade.

É uma frase bajuladora, uma água fria nos antiamericanos de plantão. O interessante é que a nação Norte Americana[bb] está em crise econômica, crise na educação, crise de potência, crise de cultura, crise de comércio, crise cambial, crise na politica[bb], crise em todos os seguimentos sociais, crise estrutural e, no entanto, é o país que os antiamericanos do passado precisam manter seus negócios, se inspiram, pedem ajuda, exige reação. Veja que coisa! QUEREM IGUALDADE!

O que mudou no cenário internacional para que estes anti-americanos vão lá exigir dos americanos do Norte igualdade, ao tempo que reconhece sua superioridade (uma imensa flexibilidade, uma enorme liderança em ciência, tecnologia e inovação, e suas raízes democráticas)?

Mas, como assim Dilma “de igual para igual”? Vossa excelência chega dizendo:

“Temos que reconhecer a importância da economia dos Estados Unidos, que possui importantes características neste mundo multipolar que está surgindo: uma imensa flexibilidade, uma enorme liderança em ciência, tecnologia e inovação, e suas raízes democráticas”

Para eles (os anti-americanos do norte) a presidente está falando GROSSO com “uzamericanos” (Quem inventou esta grafia?). Eu vejo a coisa do jeito de sempre, agora piorado, com a hipocrisia politica dos que pregavam contra o modelo americano, e ao tempo que desejam e mantém as mesmas relações de antes. E ainda vem com a balela: nós somos credores do FMI. Falamos grosso! E por fim, para acabar com o lero-lero de igualdade, eis o que está registrado de palavras da “presidenta”:

“Na América Latina há um espaço imenso para uma relação de sócios, mas sócios entre iguais, entre o país mais desenvolvido da região, que são os Estados Unidos, e os países latino-americanos” –

Que contraditório!