Linux: Munique descobriu algo que eu já sabia em 2001

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmailby feather

Eu sou bastante criticado por amigos que são fãs e utilizadores de Linux. Mas, tenho provado, que tenho estado certo ao longo dos anos. O primeiro a cair foi um amigo aqui de Irecê. Ele acreditava que o Linux era uma ideia forte o bastante para derrubar a Microsoft e todos os seus serviços e produtos. Me chamou para a revolução. Eu pulei fora do movimento arregimentado por ele. Alguns meses depois, ele capitulou e tornou-se um dos poucos profissionais da região, naquela época, a ser, e a ter Certificação Microsoft.

O mundo Linux vive também de marketing e fama. Se você procurar pela internet, vai ver, a quantidade enorme de bancos, empresas, eventos, navios, equipamentos de alta precisão, e … e cidades que adotaram o Linux como solução. Pois bem! A cidade que adotou o Linux como solução… ESTÁ DEIXANDO O LINUX e voltando para o Windows.

A notícia já é do mês de Agosto de 2014, MAS, eu só li hoje.

Os motivos do anúncio da desistência passam pela lista que sempre usei como argumentos pelos quais o Linux não se torna uma opção viável para o mercado, para as empresas, para o usuário final que são:

  • Contramão do sistema financeiro;
  • Dificuldades com drivers de equipamentos;
  • Dificuldades para a indústria e empresas em manter equipes para o mercado minúsculo que é oLinux;
  • Mão de obra especializada, por causa da regra do mercado: oferta e procura, torna o profissional Linux mais caro do que o profissional Windows;
  • O custo de implantação e readaptação, e mais, o custo da manutenção contra todo um sistema já estabelecido, se torna maior e mais caro;

Foi bem isto, e mais outros itens o que aconteceu em Munique, Alemanha. Por todos estes e mais outros motivos, anunciaram que a cidade voltará a usar os produtos Microsoft.

Um dos argumentos que os fãs de Linux gostam de usar, é, ou seria, a economia com as licenças dos produtos Microsoft, como que, as economias com as licenças resumissem todos os custos de um ecossistema, como é exigido numa prefeitura. Eu li, que, a cidade de Munique, desistiu do Linux, por ter que manter constantemente empresas especializada em Linux para manter os milhares de máquinas, atualizar os drivers para novos equipamentos, e ter que desenvolver soluções específicas para coisas comuns, e existentes no ambiente Windows. Batata!

Ou seja, o custo de treinamento, implementação, desenvolvimento, contratos extras, necessidades particulares do sistema, por serem ÚNICOS e RAROS acabam tornando o Linux, mais caro, do que pagar por licenças à Microsoft. Além de que, imagine você, estar a usar um sistema que outras 98,2 pessoas que utilizam computadores no mundo, não usam, não adotam, não quer adotar, não quer conhecer, e poucos se importam. Esta é a realidade do Linux. Não passa de uma utópica vontade de vencerem o sistema capitalista.

Não vai demorar a aparecer os defensores do sistema aqui para criticar a mim. Vão querer partir para o ataque, criticarem o Windows, falarem de segurança, falar de estabilidade, falar de xis e ene coisas que o Linux é melhor do que o Windows. Tá! Que seja verdade tudo que você menciona. Mas, veja ai a notícia: Levou 10 anos, mas, Munique descobriu algo que eu já sabia em 2001: O Linux não é um sistema comercial, e que se estabelecerá no mercado atual.

Está escrito!

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmailby feather

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *