Desvalorização não é apenas pagar um salário baixo!

No ano de 2014 uma clínica para a qual eu prestava serviços contratou uma empresa e dispensou os meus serviços. Eu fiquei mais preocupado do que chateado pela substituição. Fiquei preocupado com a incerteza dos motivos pelos quais haviam me dispensado. Procurei saber se havia ocorrido algum erro de minha parte; se minhas opiniões e conduta haviam causado transtornos à empresa; se havia desconfianças morais, ética ou profissional, etc. No final, um dos sócios me informou que o motivo da troca era tão somente preços de serviços.

A nova gestão contratada pela clínica avaliou que a empresa recém-chegada à Irecê, cobrava 60% a menos do que eu. E, o gerente me aconselhou: “Você tem que baixar os preços de seus serviços! A concorrência chegou com preços bem menores do que o praticado por você! ”

O levantamento feito com as notas de serviços de Adão Braga – Serviços, apontou que em média os serviços prestados à clínica saiam por uns R$ 80,00. A dita empresa cobrava pelos mesmos serviços numa faixa de preço que variavam de 25,00 até 45,00. E, por isto, a troca foi efetivada. Me chateei por ter sido dispensado por abandono; sem comunicação verbal, escrita, um SMS, uma ligação no celular, uma mensagem na rede social.


Antes, porém, o gerente quis saber o porquê eu cobrava os valores. Eu disse-lhe: São os valores compatíveis com o mercado de serviços. E, dei-lhe o seguinte exemplo: Quando comecei a prestar serviços aqui, a consulta com o “doutor” era de R$ 80,00 e os meus serviços tinham preços de 25,00 a 35,00. Em média, os meus serviços era quase 1/3 (um terço) do valor da consulta com os médicos da clínica. Atualmente (em 2014), a consulta aqui, custa 260,00. Assim, os serviços têm em média, preços entre 45 a 80,00 reais. Ou seja, mantenho a mesma razão e proporção.

Em tom de deboche e chacota me ofendeu dizendo: Mas, um técnico de informática quer fazer comparações com os serviços de um médico? Nem de longe e sonhando. Os doutores daqui da clínica fazem especializações constantes, estão sempre indo a congressos, se atualizando no que há de mais novo no mercado da medicina. Não tem como fazer comparações!

Eu retruquei que evidentemente, são áreas diferentes, mas, que na área da informática e das tecnologias, nós técnicos também não fazemos diferente não! Temos que estar sempre em atualizações, se especializando, fazendo cursos, congressos… e mais, a evolução das tecnologias é mais rápida do que na medicina. Hoje, para se atender eficientemente uma empresa, a maioria de nós técnicos temos que entender, conhecer, ter noções básicas, médias e avançadas sobre:

– Hardware: placa-mãe, processador, memória, chipset, hd, etc.;

– Software: instalação, configuração, uso, atalhos, procedimentos, aplicabilidade;

– Eletricidade: padronização, voltagem, polarização, corrente, etc.;

– Eletrônica: conhecer componentes do tipo: resistor, capacitores, fusíveis;

– Tipos de rede: ethernet, wi-fi, LAN, WAN, conexões diversas

– Segurança da informação: vírus, malwares, ramsonwares, backups, restauração, etc.;

– Programação: C; C#, Java, PHP, Delphi e as nova que surgem com frequência, etc.;

– Banco de dados: Microsoft SQL Server, Firebird, Oracle, MySQL, etc.;

– Protocolos: rede, comunicação, infraestrutura de dados, etc.;

E completei: Os médicos da clínica, por mais especializados que sejam, se, um cabo da impressora se desconectar ele fica sem poder imprimir laudos, receitas, exames. E, isto tudo, está englobado nos serviços que presto. Infelizmente, me parece, que alguns “gestores” desejam evidenciar o valor agregado de certas profissões, mas, são incapazes de reconhecer o valor de outras, como se, somente se, o setor e o que acontece na área de atuação dele, deva ser valorizado e reconhecido.

Um técnico em informática é o profissional que está apto a realizar configurações de sistemas informática, instalar equipamentos, verificar as causas de falhas na programação de computadores, etc. Esse profissional pode trabalhar em empresas do ramo ou prestar atendimento por conta própria.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *