“O computador está do mesmo jeito de antes, nem parece que você fez nada! ”.

Paulatinamente estou “pulando fora” da área técnica de informática. Estou tendo melhor renda com outros tipos de suporte: escritório, contábil, tecnológico em áreas específicas como segurança, disponibilidade de serviço, segurança da informação. Estou deixando um pouco de lado o formatar computadores, instalar sistema operacional! Para os clientes, certas empresas continuarei fazendo. Não pretendo mais fazer serviços para o cliente final, do tipo pessoa física!

Os motivos são muitos! Entre os principais, o mais agudo e contundente seja o conflito direto com o cliente. Especialmente o tipo de cliente que me chega argumentando: “O cliente sempre tem razão! “, mas, ele, mente, oculta, omite informações para querer ter razão.

É comum haver conflitos e diferenças. No entanto, clientes que fazem coisas equivocadas após a entrega do serviço e retorna reclamando horrores, são os piores! Um exemplo básico e recorrente! Por exemplo, pego o tema: – Qual é o melhor antivírus?

O cliente leu boa reputação sobre um determinado antivírus e ele discorda da opinião do técnico que instalou uma opção que ele não conhece. Se o cliente quisesse uma solução diferente que compre a sua solução de segurança e dê ao técnico para instalar. O problema ocorre quando o cliente não compra por uma solução paga de antivírus, e, depois reclama de qualquer uma das versões grátis que o técnico escolhe, opta e instala em seu computador.

Se, tem uma versão grátis de antivírus de sua preferência, não custa, ao solicitar o serviço, informar sua preferência, e, ou, perguntar ao técnico que lhe atende: “Você instala qual antivírus grátis no serviço? ”

Esta semana, dois notebooks me retornaram à bancada. Não que eu tenha feito um serviço ruim, mau acabado, sem qualidade. Não! Não foi! Os clientes optaram por uma versão grátis de antivírus, mas, recusaram o antivírus que instalei! Quiseram o AVAST Grátis! E, ao tentar instalar o antivírus de sua preferência, removeu o antivírus que instalei e destruiu a configuração do sistema, e o contaminou com diversos programas inúteis e aproveitadores.

O pior! Me chega aqui com o argumento mais “safado” que existe! “O computador está do mesmo jeito de antes, nem parece que você fez nada! “. Olhei o computador, e lá está vários softwares, estranhos e desnecessários para qualquer usuário. Lá estava uma lista das piores e estranhas opções de segurança, navegadores de internet irrelevantes, diversos links: “continuação de instalação do: SKYPE, ADOBE, JAVA, AVAST” sendo que, ao entregar-lhe o equipamento lhe disse:

– Foi instalado os drivers de som, vídeo, rede e os demais drives da placa mãe. Instalei o Adobe Reader DC, a versão mais nova! O Java é a versão atual! Instalei também os navegadores Google Chrome e o Mozilla Firefox versão recente, e também, um Software de Escritório (Editor de texto, Planilha Eletrônica, Apresentação Multimídia). Se precisar de algum outro software, diga-me que instalo para você! – Instalo por padrão os softwares mais utilizados e necessários para o cotidiano da maioria dos usuários que acessam bancos, órgãos governamentais, faculdades.

Mas, que? Não!

A pessoa tem que se aventurar e destrói suas horas de trabalho! Se eles pagassem todas as vezes que atrapalhou e estragou… não me importaria! Mas, não! Voltam com a cara cínica “e exigindo” que refaçamos o serviço, pois, chegam a nos acusar de não termos feito um serviço qualificado! Isto tem me cansado! Por isto uma de minhas metas é abandonar esta área de serviço e especializar em outras.

Vida de técnico, de qualquer área é corrida e urgente!

Tem as tirinhas de Vida de Programador. Há sites e blogs que fazem humor de diversos tipos sobre as mais diversas profissões, inclusive de técnico de informática. Desde antes daquele texto já antigo de “O carinha da informática” que a vida de técnico de informática faz parte da zueira! Não é para menos!

Como atuante na área, recebo os mais inusitados pedidos de serviços, bem como, também sofro com os pedidos mais urgentes para serem resolvidos e entregues no tempo mais curto possível. Já chegaram em meu recinto às 20 horas e solicitando trabalho urgente, pois, disse a pessoa: “tenho que terminar e entregar meu TCC antes da meia noite”…

Hoje, o dia e a noite foram de complicações. Tenho três computadores, com três problemas diferentes, em que, não há ponto de restauração de sistema, formatar é uma opção, com risco enorme de perda de dados e até o momento, nenhuma intervenção foi suficiente para que os problemas fossem resolvidos. Nenhuma das opções de reparo até agora resultou em algo positivo. E, estou na primeira máquina. Lá se foi! Apareceu a tela azul novamente! Ou seja, o que fiz, não solucionou o problema. Lá vou eu fazer outra coisa para ver se soluciona.

Vida de técnico é assim: para se ganhar o ouro, fica se o couro, os neurônios. E, há quem vai dizer: “tá com tempo até de escrever um texto! Tá folgado!” A resposta tem fácil explicação: Vários técnicos conseguimos com dois ou três monitores, fazer mais de um PC por vez!

Invasão e contaminação de roteadores

Eu faço o uso constante e intenso de internet. O meu consumo, só o meu, beira os 100 a 150 GB por mês. Isto por que faço download de filmes, livros, revistas, HQ, séries, vídeos pornôs, músicas e tudo mais que a internet proporcionar.

Há também os bandidos que vivem a aplicar golpes. Um destes golpes consiste em contaminar os equipamentos da rede e então fazer redirecionamento por DNS. Quando se deixa a configuração básica dos equipamentos a contaminação é fácil e rápida. Eficiente e silenciosa.

Agora a pouco, faz uns 10 minutos sofri a tentativa de acesso às configurações do meu modem internet. E, descaradamente me aparece uma janela pedindo que eu digitasse o usuário e a senha de configuração do modem. Eis a imagem abaixo.


Mas que? Caí no golpe não!

Para você não cair em golpes assim, siga as recomendações básicas:

1 – Não use a senha padrão dos equipamentos, que são as mais comuns: admin; admin;

2 – Tenha por hábito não fornecer senha em sites, blogs, e, janelas que surgem em seu navegador, afinal, se você não está acessando um site protegido por usuário e senha, por que motivo é que uma janela irá aparecer solicitando?

3 – Se estiver surgindo janelas do navegador, pop-up, páginas diferentes reconfigure seus equipamentos de rede.


 

Qual é o melhor navegador?

Há uma grande legião de fãs dos mais variados navegadores de internet. Estes fãs em muitos momentos entram em atritos virtuais e longos e cansativos debates sobre o que cada um considera ser o melhor navegador. Eu tenho o meu navegador prefiro. Uso-os com maior frequência do que os demais. Sou criticado por afirmar que meus navegadores prediletos e mais usados são: Microsoft Edge e Internet Explorer. Alguns internautas são tão obtusos e arrogantes quanto à questão, que, muitos comentarão assim:

– “Parei de ler quando escreveu Internet Explorer”.

Eu por necessidade técnica uso todos os navegadores que tenham expressão e utilização. É que, tenho a necessidade de saber como é que funcionam, quais são as características, quais as funcionalidades, como se comportam ao acessar sites de bancos, institucionais, governamentais, e como se comportam ao uso do Java, o ainda Flash Player, e outros plugins e funcionalidades tais como PDF, extensões, HTML5, segurança etc. Eis a lista dos navegadores instalados e que utilizo em meu computador na imagem abaixo.


1 – Microsoft Edge;

2 – Microsoft Internet Explorer 11;

3 – Baidu Browser;

4 – Opera Neon (Lançado este mês de janeiro 2017)

5 – Mozilla Firefox;

6 – Google Chrome.

Como eleger o melhor navegador?

Ao consultar o uso da internet o Windows 10 me fornece as estatísticas de uso. Você pode ler a explicação de como verificar o uso de sua internet neste texto deste blog: Verifique a quantidade de download você fez este mês.

Entre todos os navegadores, o Microsoft Edge foi o mais utilizado.

Porém, no mês passado (dez/2016), quando fiz muitos downloads de vídeo utilizei mais o Baidu Browser que tem uma facilidade incorporada. Ao clicar no vídeo e começar a assistir, aparece um ícone em que posso clicar para realizar o download do vídeo. Seja no youtube bem como em outros sites de vídeo.

Para bancos e sites de receita federal e alguns órgãos de tributação utilizo com mais frequência o Internet Explorer. Já para sites do governo como por exemplo o IBAMA e sites do setor jurídico com os domínios com a terminação, “.jus.br” e sou obrigado a utilizar o Mozilla Firefox.

Estou utilizando desde o lançamento o Opera Neon. Nesta semana de lançamento, estou ainda me acostumando com o visual e a maneira como o navegador organiza links, abas, páginas e outros elementos gráficos. Posso garantir que é possível usar os bancos mais comuns tais como: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa e Itaú. Já testei!

Eu, utilizo mais os navegadores da Microsoft, não escondo. Porém, se tivesse que escolher um entre todos os navegadores, agora, eu escolheria o Opera Neon pelas novidades e pelas inovações, bem como, pela facilidade de uso.

Em suma, eu digo, afirmo e recomendo usar os navegadores que desejar, e, então, ter uma opinião com bases empíricas e de uso constante para poder ter motivos para eleger o melhor navegador. E, tendo conhecimento de cada um deles, você não necessitará declarar um campeão, e sim, ter diversas opções de software a sua disposição para poder usar de acordo com a sua necessidade. Se você identificar que um é melhor para download, use-o; se um é melhor para música, use-o; se outro é melhor para redes sociais, use-o… e assim sucessivamente.

Último detalhe: eu tenho dois perfis para twitter e para outras redes sociais. Então, para um perfil utilizo um navegador, e, por exemplo, para comentar em blogs do blogspot.com é melhor utilizar o Google Chrome e também o Mozilla Firefox.

 

 


 

Como é que os softwares “emburrecem” quem os usa? #01

Em 2010 quando estava iniciando o curso técnico subsequente de informática no IFBA (Instituto Federal da Bahia, campus Irecê) em conversa com um professor, disse a ele que em vários aspectos, o uso constante dos softwares fazia com que as pessoas deixassem de adquirir conhecimentos, e, ou ficavam dependentes dos softwares para atividades, antes, fáceis, comuns e exigíveis como por exemplo, atividades simples das quatro operações: somar, diminuir, multiplicar e dividir.

No uso da gramática etc.

Os softwares têm nos feito desvalorizar os conhecimentos básicos da nossa língua portuguesa. Enquanto escrevo este texto, o Microsoft Word 2013 me informa que há algo errado na frase inicial deste parágrafo. Veja na imagem logo abaixo.


Eu sei o que é, mas, confio que o software faz para mim as atividades de correção quanto vários aspectos gramaticais tais como: análise sintática, concordância verbal, nominal, ortográfica, acentuação gráfica, etc. É um avanço tecnológico, bem como é, um meio de preguiça e favorece ao “emburrecimento”.

Observação:

Por emburrecimento, afirmo, que se trata de uma constante, insistente e facilitação à “não necessidade de memorizar, adquirir, armazenar e aplicar” conhecimentos básicos e necessários.

Os softwares editores de textos disponíveis no mercado são capazes de identificar erros diversos na confecção dos textos. Há correções diversas quando você escreve sem um acento, agudo, crase, circunflexo, bem como, corrige quando você insere um acento em uma palavra não acentuada. Corrige também falta de vírgula em frase e de até ponto final, tanto quanto sugere a correção de aspas erradas, o uso da exclamação e da interrogação.

Os editores de textos também sugerem quando deve separar por vírgula o verbo, o substantivo, o aposto, a adversativa; tanto quanto falta um ponto e vírgula, marca em azul alguns tipos de erros, em vermelho outros, e em verde o tipo incorreções. Veja a imagem abaixo a sugestão de correção.


Isto é apenas um breve comentário do quanto, e de como, os editores de textos favorecem ao emburrecimento de quem os usam. Não há a necessidade de aprender gramática do mais simples conceito aos mais complexos conhecimentos sobre linguística, morfologia, sintaxe, classes gramaticais. Além das muitas outras opções de configuração para que o editor de texto possa traduzir, escolher dicionário, autocorreção, substituição de palavras duplicadas, monitoramento de palavras em maiúsculas, identificação de gênero, e a escolha do artigo correspondente, etc.

De umas décadas para cá muitos são formados em universidades, em curso de graduação, pós-graduação, doutorado e mestrado onde os conhecimentos adquiridos não representam, não mais do que uma baixa percentagens do ensino médio. Por outro lado, para criar um software com tal capacidade, é exigido que equipes diversas estejam sendo bem organizadas, equipadas, assessoradas. Afinal, não se exige que os programadores sejam experts em gramática, linguagens, morfologia.

Ou seja, os mesmos softwares que “nos emburrecem”, exige que, quem o produz, seja bem instruído ou esteja bem orientado.