Aécio Neves perdeu as eleições 2014 para salvar a oposição e condenar Lula/Dilma/PT na justiça.

Eu gosto de teorias de conspiração. É, sem dúvida uma literatura interessante! Eu abandonei a categoria por temer os muitos caminhos, vias, vielas, atalhos que umas ideias podem tomar.

O último texto, que eu me lembro, que está na categoria: teoria de conspiração, e, também categorizada como fantasia foi: a NASA vai trazer o petróleo existente da lua. Não é apenas uma questão de gostar da categoria, é mais! É, as vezes, encontrar, ouvir, ler, tomar conhecimento das mais destrambelhadas ideias que milhões de pessoas tem. O texto em referência ganhou destaque em vários fóruns. Recebeu alguns comentários de pessoas preocupadas, inquietas em saber se era ou não verdade o conteúdo. Tudo teoria de conspiração e invenção de mentes em busca de ocupação.

Nesta linha dos editores de teorias de conspiração, hoje soube o real motivo pelo qual Aécio Neves (PSDB) perdeu as eleições em 2014. E, em poucas palavras de um estupendo teórico conspirador.

– Aécio perdeu as eleições por que descobriu o verdadeiro golpe do PT e de Lula – Disse o teórico da conspiração. Lula, o PT e Dilma sabiam que o Brasil quebraria a partir de 2015, então, eles arquitetaram, para perder a eleições. E, estavam perdendo. O povo estava saturado da situação. Sabia da quebradeira toda. Entendia e via que em breve iria estourar tudo! Que a partir de 2015 tudo seria um caos. Mas, os planos do PT, da Dilma e do Lula era, ter perdido a eleição em 2014, o PSDB ter ganhado, e como tudo estaria ruim, arruinado, por óbvio que eles imaginaram que tudo seria culpa dos tucanos, do PSDB em específico e de Aécio em especial. OU SEJA – disse alterando a voz – a população concluiria que de fato, a era PT/Lula/Dilma havia sido ótima, mas, que os tucanos haviam quebrado o país mais uma vez, e, em 2018, Lula voltaria para salvar a nação e tomar as rédeas do progresso, e, mais, teriam aniquilado politicamente a oposição.

Uma pausa para um fôlego e reflexão e uma indagação:

– Você está dizendo que os petistas foram capazes de pensar, arquitetar, planejar e executar toda esta tramoia?

– Oxente! E, você acredita nesta teoria de que eles são burros e ignorantes, analfabetos e otários? É outra fase e face desta gente inescrupulosa. Fingem-se de burros, de coitadinhos, de vítimas. Mas, por todos os lados vai puxando a batata assada para junto deles.

E, então continuou.

– A sorte foi que o Aécio Neves descobriu a tramoia e também agiu e “tramoiou” – nunca tinha ouvido a palavra tramoiou – e perdeu a eleição, e, assim, deixou a batata quente e bomba explodir nas mãos da Dilma, do PT, e por associação, por tabela, por elo de ligação arrastou o Lula e sua família para o meio de tudo que eles queriam ocultar, e PIOR – aumentou o volume da voz: queriam transferir e por culpa para a oposição. Isto é claro! – Disse em meio tom – se o Aécio/PSDB tivesse ganhado as eleições em 2014. Se tivessem! Toda esta lama ai estaria nas mãos do Aécio e do PSDB. E com a fama de terem destruído a herança do Lula e do PT.

Sei não, se isto é verdade! Sei que faz sentido! Por coisas assim e parecidas, é que, Teorias de Conspiração é muito legal.

Tenha fé em Deus, mas, amarre os camelos!

A vida ou apenas viver, é muito simples. Para muitos, basta o básico e está tudo bem. Para alguns, basta o essencial, coisa do tipo: ar, água, alimento e poucas roupas, um ou dois calçados. Muitos, nem isto. Basta alimento e proteção para as intempéries. Para milhares que vivemos em uma sociedade como nós todos, você que lê, você que chegou aqui por um serviço de busca, a vida é um pouco mais. Necessitamos do básico e uma parcela do extraordinário.

Esta breve introdução é para dizer que hoje, 28 de fevereiro de 2016, ao ler uma reportagem sobre uma família na Espanha, muitas emoções e lembranças vieram à tona e me fez estar e ficar emocionado. Até chorei em sentir e relembrar certo período que passamos de forma semelhante, porém, com fim diferente. A reportagem em questão foi intitulada de: Câncer: Meu filho morreu por ignorância científica.

A reportagem traz informações sobre uma família espanhola que o filho morreu de câncer por ter sido convencido a adotar um tratamento alternativo à proposta pela ciência médica, e também, relata batalha para esclarecer outras famílias e outros doentes de que o melhor caminho para as doenças de cânceres ainda é a ciência médica.

Ao longo dos cinco anos em que estivemos em batalha semelhante, não foram poucas as ofertas de tais caminhos alternativos. Pessoas ainda não conversam comigo e com minha família por termos recusado trilhar caminhos tais. Pessoas próximas questionaram: “onde está sua fé em Deus que você confia mais nos homens do que nEle?”. Um amigo próximo outro dia me disse: “Daquele período só fiquei triste com você por que não experimentou o bicarbonato!” Uma família trazia frequentemente água abençoada por um líder espiritual ou padre e nos diziam: Ele disse que é só orar e beber esta água que ele ficará curado. Esta água ficou no pé do rádio e foi abençoada. Muitos amigos católicos nos convidavam para irmos às novenas. Amigos evangélicos nos convidavam para os cultos e reuniões de curas. Espíritas nos chamavam para reuniões onde os espíritos nos orientariam e até curariam nosso filho.

Não é que recusávamos cada uma das alternativas propostas. Para nós, o caminho já havia sido escolhido, e sabíamos que além de fé em Deus, viagens à capital para as cirurgias, os remédios, os métodos e indicações de caminhos alternativos que não iriam mudar, interferir no caminho escolhido, nós aceitávamos. Não era muito ir a um culto, ouvir uma oração, receber uma água. Mas, abandonar o caminho já conhecido, por uma suposta cura baseada mais em especulações e suposições, bem! Ai, é arriscar demais. Recebemos ajuda e apoio de muitas pessoas. Grupos de oração fervorosa. Grupos evangélicos. Grupos católicos (jovens, legião de Maria, Vincentinos… etc), espíritas, Testemunhas de Jeová, Adventistas do Sétimo Dia, e até o positivismo de alguns. Tudo, pensamos nós, contribuiu para a superação e a transposição daqueles dias.

Na referida reportagem serve também para muitos brasileiros conhecerem a realidade. Muitos de nós ainda cremos que na Europa não há mais crendices, charlatanistas, curandeiros, parteiras, cultos, crença em magias. Ledo engano. A reportagem é clara e inequívoca em afirmar que há, e pior, é grande as atividades e grande a procura por tais caminhos. Algumas famílias e indivíduos descobrem da maneira mais dolorida, como esta família.

Concluo com uma pequena estória que aprendi faz algum tempo.

Uma certa vez, um profeta com seu discípulo chegou em uma estância. Enquanto o profeta estava acertando os detalhes da estada, o discípulo ficou encarregado dos camelos. Na manhã seguinte nenhum camelo estava por ali. O profeta inquiriu ao discípulo e este lhe disse:

– Como estava cansado mestre! Fiz como me orientastes: Orei ao grande Deus para ele cuidar dos camelos.

E o mestre então lhe repreendeu dizendo:

– Estúpido! Tenha fé em Deus, mas, amarre os camelos.

Aptos para cobrar centavos; inaptos para ver o desvio de milhões?

Uma grande parcela da população brasileira tem certeza de que há coisas estranhas ocorrendo no país. E, o que o senso comum estranha, é o grande descompasso que existe entre a ação de órgãos fiscalizadores, quando age, com o cidadão comum, e como fica evidente a não ação contra os cidadãos que, nos parecem, acima da lei, acima do sistema, acima de qualquer suspeitas.

Hoje, estive num escritório de contabilidade para atender uma urgência. Lá estava uma jovem senhora, caucasiana, olhos caros, bem vestida, uma bolsa azul turquesa, com muitos papéis sobre a mesa. Estava lá, juntamente com a contadora, para enviar uma Declaração de Imposto de Renda retificadora. Depois de uns quarenta minutos teve que ir à sua casa para trazer mais alguns papéis como exigência.

Depois que ela saiu, a contadora me comentou:

– Você acredita que ela está toda enrolada com a Receita desde 2013 por que houve uma diferença de 0,59 (cinquenta e nove centavos)? – E continuou a explicação. Ela é enfermeira, e, entre a declaração dela enviada para a Receita, e a declaração da Prefeitura que pagou a ela, teve esta diferença. E desde 2013 que ela sofre com esta situação. Já vai para três anos que ela está na malha fina da Receita por causa destes centavos.

Ai, o cidadão comum indaga, questiona, se irrita com a situação.

Ou seja, eles são capazes de atazanar a vida de milhares de nós brasileiros por causa de centavos a mais, centavos a menos. Mas, não conseguiram detectar anomalias em 12 milhões emprestados para certo pecuarista amigo do peito de um certo presidente de certo partido político.

Não só com esta senhora, e não apenas na receita. Em 2011, chegou aqui em casa os terceirizado da Coelba para cortar a luz. Segundo os tais, a fatura motivadora do corte era uma de 0,47 centavos. Fui na agência indagar sobre isto, e fui informado: “foi resto de uma fatura do passado”. Até hoje, nunca me explicaram a que resto. O juizado especial, disse-me o advogado, apesar dos danos, dos constrangimentos, não acatou o pedido pelo valor irrisório. Só acontece comigo tais coisas!

A impressão que nos dá; a sugestão óbvia é que eles são aptos, ligeiros, eficazes, eficientes em detectar os centavos que nós devemos, mas, como é que podem ser tão cego, surdos, mudos, incapazes de detectar fraudes acima dos milhões.

Últimos textos em rascunho

Aviso:

Fui fazer umas mudanças no blog, e, alguns textos mudaram seus status de publicados para Rascunho. Estou tentando recuperar e voltar a configuração e restaurar os referidos textos.

O pior é que percebi a mudança apenas agora a pouco. Espero restaurar os textos até amanhã!

Os trabalhadores que trabalham aos sábados e domingos estão precisando de um sindicato que os defendam?

O feriado de carnaval em Irecê é ampliado com o feriado local e os comerciários saem, muitos deles, na sexta-feira e só retornam na manhã de quarta-feira de cinzas, para retornar às atividades profissionais na vespertina do dia. Eu, como sempre, detesto feriados. Feriados longos então! Detesto mais ainda.

Por eu não gostar de feriados e feriados longos mais ainda, uma amiga me disse na quinta-feira: “Ô Adãozinho! Os funcionários agradecem tanto um feriadão destes!” Eu sei que agradecem. E sei também, que se pudessem, todos os funcionários trabalhariam dois dias na semana e apenas oito dias por mês, e a empresa que se vire para no fim do mês depositar seus honorários.

Enquanto, nós brasileiros, não abolirmos, acabarmos com 80% dos feriados de nosso calendário, não tem como mudar muita coisa que poderiam ser mudada. Este monte de feriados atrapalham a todos. Desde as atividades mais simples, como por exemplo, comprar uma dúzia de pães na padaria, um analgésico na farmácia, um pacote de cerveja na conveniência, uma massa para uma lasanha… a cidade fica parada.

Irecê, ainda sofre com a fiscalização intensa dos sindicatos. Por óbvio que os “sindicaleiros” podem exigir de seus bate-paus, que trabalhem nos feriados, aos domingos, nos dias santos, mas, eles tem que trabalhar, com a suposta ideia de que estão “transgredindo a regra do sindicato” de que nenhum funcionário deva trabalhar nestes dias, para garantir o cumprimento do que foi decidido em assembleias dos mais diversos sindicatos.

A cidade de Irecê tem quase, ou tem mais do que setenta mil habitantes. É, para mim, uma cidade de médio porte. A cidade é politicamente de esquerda, sindicalista, anticapitalista, pró-proletário. E, muitas decisões que favorecem os empregados faz com que empresas deixem de investir mais e melhor na cidade. Uma cidade em que uma pizzaria seja obrigada a fechar aos domingos, por que, o sindicato assim o exige – os vereadores não legislaram, nem o prefeito enviou projeto, nem tão pouco vemos, percebemos e temos notícias de que movimentos na questão – como é que atrairá investimento em seguimentos como restaurantes, pizzarias, lanchonetes, parques infantis, etc?

O caso mais recente, que presenciei, o empresário do ramo de pizzaria, disse: “Se é assim que eles querem, é assim que eu farei”. E, então, dispensou quatro funcionários contratados que trabalhavam nos fins de semana e nos feriados. Houve choro e revolta. Ele disse mais: “eu deixarei de ter cerca de dez mil reais mensais ao deixar de abrir aos domingos e feriados, mas, pior ficará para os funcionários! Eu continuarei empresários, e, criarei algo para compensar, mas, os dispensados não terão outro emprego como o que eu disponibilizei”

Como é que os trabalhadores aceitam a decisão do sindicato? Simples, a maioria é sindicalizada e quer mesmo é receber o salário trabalhando pouco. Como esta estrovenga que há em Irecê em que, empresas não podem abrir aos domingos e feriados! Isto, segundo eles, degrada, prejudica o empregado do comércio, que vai trabalhar mais, e ganhar menos. Caramba! É só liberar e fiscalizar. Encontrou quem esteja trabalhando em jornada exaustiva, fora do que a lei determina, autua, pune dentro da lei. Mas, impedir a empresa de abrir em dias em que, há demanda, existe a necessidade da comunidade, há quem queira e prefira trabalhar nestes dias, isto é contraproducente, e tolice. Há um supermercado para as bandas do leste de Irecê, que, segundo me disse o dono “o povo do sindicado vira e mexe estão aqui me torrando a paciência”.

Tais atitudes sindicalistas, sindicaleiras dos sindicalizados geram problemas e conflitos. Mais atrapalham do que ajudam, pois, existem leis que determinam por exemplo, o pagamento diferenciado para quem trabalha nestes dias, existe a diferenciação de horas, valor da hora, valor da hora extra, tudo já legislado, e como deve ser reposto do dia de descanso trabalhado.

Está estabelecido:

“O empregado que trabalhar em domingos e feriados, sem folga compensatória, tem direito a receber o dia de descanso em dobro. Não se trata de pagamento de hora extra, mas do dia em dobro.”

Então, qual é o sentido de o sindicato agregar uma lei adicional proibindo ou dificultando o trabalho nos referidos dias de domingo e feriados se existem leis para serem aplicadas quando se trabalham nestes dias? Por ganhar o dia em dobro, é que, muitos trabalhadores preferem trabalhar especificamente nestes dias. É uma opção que muitos optam, e, se disponibilizam exatamente para tal proposito e causa. E, que as disposição em contrário deixem de existir mediante nova lei por meio da câmara e sancionada pelo prefeito.

Uma pessoa ligada ao sindicato, quando conversei com ele, encheu a boca para criticar quem era crente, quem seguia religião, que pessoas que creem e dedicam suas vidas a Deus são pessoas ignorantes, que Deus é uma invenção do homem, que Deus é um controle social para mentes fracas! Ligou o cassete, e, deitou o cacete na igreja. Depois, vem me convencer de que ele luta para o trabalhador ter direito de não trabalhar aos domingos para ir à igreja adorar a Deus… santa tolice hipócrita e também carente de sabedoria. Será que ele não percebe a tolice que é fazer isto?


Imagem da internet. Bing Imagens.

Reconheço que a maioria é católica! Todos os trabalhadores vão no domingo à igreja? E os Adventistas do sétimo dia que vão à igreja aos sábado! Por que não defender o direito deles de folgarem no sábado e poderem trabalhar aos domingos? E aqueles que são agnósticos? E o que são ateus? E os que são sem religião? E, os que querem e preferem trabalhar nos finais de semana por seus motivos, sejam eles quais forem? Como por exemplo um garçom que diz: Trabalho nos finais de semana como garçom para pagar a faculdade de meus filhos que estão em Campina Grande. Trabalho durante a semana na construção civil, e nos finais de semana em festas e restaurantes. Não tem no sindicato quem reconheçam estas necessidades e vontades destes trabalhadores? Eles tem que ficar sem trabalhar, sem esta renda, por que o sindicato, por meio das convenções deliberativas e direcionadas, querem exigir que não se trabalhem aos domingos?

Estes trabalhadores estão precisando de “um sindicato que os defendam” ou de alguém que os representem nas reuniões dos sindicatos existentes, para os esclarecer sobre suas necessidades, de suas preferências, e que desejam trabalhar e que os sindicatos “cumpra a sua tarefa de auxiliar o trabalhador prejudicado” a jornada, os salários, as garantias sociais.

Que Irecê avance! Que o comércio, os empresários, e quem desejar, quem puder, quem quiser trabalhar nestes dias: TRABALHEM! Seria mais fácil fiscalizar as empresas que abrem aos domingos e feriados, se estão ou não cumprindo os acordos celebrados e a lei do que viver nestes impasses entre as “categorias”, principalmente esta velha máxima de que patrão é vilão, todo patrão é explorador, que toda empresa é um lugar de trabalho análogo à escravidão.

Tem solução? Sim! E passa pela câmara de vereadores e pelo prefeito! Nalgumas cidades pelo Brasil, a câmara de vereadores APROVARAM e o prefeitos em harmonia com os direitos constituído, sem infringir a lei, e sem ferir os direitos adquiridos e a CLT sancionaram e promulgaram leis especificas para o trabalho aos domingos.

As convenções dos sindicatos devem REPENSAR esta ideia de que não se possa abrir empresas e não podem haver trabalhadores nestes dias (domingos e feriados) afinal, há – e ele amam as minorias – uma parcela menor de trabalhadores que, querem, e preferem trabalhar aos domingos e feriados. Eles tem direitos também! E carecem de representatividade! Se já existisse legislação municipal muitos debates teriam sido desnecessário, e ou, se já existe, que se faça valer

Se há legislação que tratam do tema, e, permitem, legislam sobre o tema, cumpra-se a lei, fiscalize, investiguem os abusos, processem aqueles que não cumpram as leis! Vamos sair deste atraso! Precisamos mudar! 

LEI Nº 11.603, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2007

DOU 06.12.2007

Altera e acresce dispositivos à Lei nº 10.101, de 19 de dezembro de 2000.

Faço saber que o PRESIDENTE DA REPÚBLICA adotou a Medida Provisória nº 388, de 2007, que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Narcio Rodrigues, Primeiro Vice-Presidente da Mesa do Congresso Nacional, no exercício da Presidência, para os efeitos do disposto no art. 62 da Constituição Federal, com a redação dada pela Emenda Constitucional nº 32, combinado com o art. 12 da Resolução nº 1, de 2002-CN, promulgo a seguinte Lei:

Art. 1º O art. 6º da Lei nº 10.101, de 19 de dezembro de 2000, passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 6º Fica autorizado o trabalho aos domingos nas atividades do comércio em geral, observada a legislação municipal, nos termos do inciso I do caput do art. 30 da Constituição Federal.

Parágrafo único. O repouso semanal remunerado deverá coincidir, pelo menos 1 (uma) vez no período máximo de 3 (três) semanas, com o domingo, respeitadas as demais normas de proteção ao trabalho e outras a serem estipuladas em negociação coletiva.” (NR)

Art. 2º A Lei no 10.101, de 19 de dezembro de 2000, passa a vigorar acrescida dos seguintes arts. 6º-A e 6º-B:

“Art. 6º-A. É permitido o trabalho em feriados nas atividades do comércio em geral, desde que autorizado em convenção coletiva de trabalho e observada a legislação municipal, nos termos do inciso I do caput do art. 30 da Constituição Federal.”

“Art. 6º-B. As infrações ao disposto nos arts. 6o e 6o-A desta Lei serão punidas com a multa prevista no art. 75 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943.

Parágrafo único. O processo de fiscalização, de autuação e de imposição de multas reger-se-á pelo disposto no Título VII da Consolidação das Leis do Trabalho.”

Art. 3º Esta Lei entra em vigor na data da sua publicação.

Congresso Nacional, em 5 de dezembro de 2007; 186º da Independência e 119º da República.

Deputado NARCIO RODRIGUES
Primeiro Vice-Presidente da Mesa do Congresso Nacional, no exercício da Presidência

Obs: o grifo em negrito e vermelho fui quem fez.

Normatize em Irecê! Que um vereador tenha a coragem de propor o debate na câmara! Que os trabalhadores sindicalizados na sua próxima “Convenção” pensem nestes outros trabalhadores que não querem o direito de ir à igreja, que os deixem trabalhar aos domingos e feriados apoiem o projeto do vereador, estabeleçam o dialogo, proponham, ajude a regulamentar a situação para que, se debele esta insegurança jurídica e trabalhista de todos, que as empresas levem suas propostas, afinal, lei que regulamente, tribunal da justiça do trabalho estão funcionando. Não tenhamos medo! Avancemos! Mas, porém, contudo e todavia, por vezes, a conclusão óbvia, é que, uma sociedade sindicalista, sindicalizada é um atraso! Até que se prove o contrário!