volto pra casa entristecido, dá VONTADE DE BEBER…

Não sei se é por causa da copa do mundo, mas, este mês de junho fiz pouquíssimos serviços. Hoje, foi um dia destes chatos. Dias como os de hoje, se eu pudesse, anulava-o do ano. Infelizmente para chegar no amanhã, é necessário passar por dias como estes.

Ao amanhecer fui acordado com um chamado urgente de uma das clinicas que dou assistência aos computadores. E foi o único serviço produtivo do dia. Tive que fazer uma intervenção num computador. Foi rápido! Voltei para casa antes das oito e trinta da manhã.

No entanto o segundo atendimento o fiz por desencargo de consciência e também para tirar duas pessoas do meu pé do ouvido. Afinal, desde a semana passada que eles me ligavam exigindo minha volta. E, tive que ouvir mais de uma vez:

– Não tá funcionando nada, desde que você saiu daqui!

Pessoas assim, me deixa triste com a situação tecnológica e falta de atenção, e as vezes, completos obtusos que querem dizer antenado e tecnologicamente ativos. Existem coisas, ações ruins, mas, não acho aceitável jovens entre 9 e 15 não saberem conectar com a internet, ter noções básicas do uso do teclado e também de manuseio do mouse.

Voltando ao caso. Semana passada instalei numa determinada casa um roteador sem fio e configurei a rede com o mais alto padrão de segurança. Tive que baixar para wep porque o notebook não suportava sistema superior. Testei e usei o notebook no ambiente. Testei a rede e testei a segurança. Ficou funcionando. Por isto não aceito a frase citada.

– Não tá funcionando nada, desde que você saiu daqui!

Levei outro notebook. Na escada, antes da entrada eu já estava conectado na rede e na internet. Então eram duas ou três coisas:

  • O notebook;
  • A usuária.

Era a terceira opção não listada: O notebook, que para usar a rede sem fio tem que apertar um botão de liga e desliga, e a Usuária, que no dia disse que sabia usar e que com a explicação que eu dei, ela iria tirar de letra. Mas, hoje, no entanto, ela estava lá, com a cara lisa e envergonhada de não LIGAR  a rede wireless do notebook.

O terceiro atendimento também não foi diferente. E no telefone ouvi as seguintes palavras:

– Você tem que vir logo, porque é urgente.  Eu tenho que entregar uma declaração. Já instalei o programa e ele não quer funcionar e o prazo é até as dezessete horas.

Fui correndo para a empresa, para chegar lá e a grande urgência era configurar o padrão dd/mm/aaaa no formato de data nas configurações regionais do painel de controle.  Mais tarde ao voltar para casa me lembrei da frase da música que diz:

– volto pra casa entristecido, dá VONTADE DE BEBER…

Só bolsa família não basta!

O nordeste é mais uma vez visível ao Brasil e ao mundo. Mais uma tragédia. Anteriormente a tragédia do Nordeste era seca, a fome, o analfabetismo e nestes últimos dias as enchentes, e as represas que desde muito tempo rompem e causam destruição. Os flagelos anteriores continuarão. Enchentes é exceção a regra da realidade. Lula sobrevoa a área atingida. Veja neste link outras áreas que Lula sobrevoou quando ocorreram tragédias semelhantes. No entanto, as tragédias naturais e humanas que ocorreram em Pernambuco e no Alagoas, provam que repassar dinheiro para as famílias não é suficiente. Há sempre a necessidade de investimento público e intervenção de outros organismos para que tais eventos ao ocorrerem, cause tão somente prejuízos financeiros.

Segundo informações da Caixa Econômica (Clique e consulte aqui) o Estado de Alagoas tem 102 municípios e 390.604 famílias recebem o bolsa família. O Estado de Pernambuco tem 185 municípios e 988.533 famílias recebem o bolsa família. Lembro-me que o presidente disse:

“Não tem coisa mais fácil do que cuidar de pobre, no Brasil. Com dez reais, o pobre se contenta; rico não, por mais que você libere, quer sempre mais, nunca se conforma”Estadão: é mais fácil governar para pobre – do texto: Não era Segredo

Continua sendo verdade Lula. Pobre é assim mesmo. Com esta nova situação, eles irão ser assistidos com cestas básicas, usarão os recursos do FGTS, construirão novas casas e estarão contentes.

Bolsa família é bom para ajudar muitas famílias alavancar a economia de várias pequenas cidades, no entanto, os prefeitos devem realizar obras de urbanização nas cidades, cuidar de córregos, esgoto, saneamento, estradas municipais, loteamento, planejamento das cidades e dos lugares onde se pode construir.

Bolsa família é bom para as famílias de baixa renda, mas, os governadores devem investir na qualidade da educação, na proteção, na saúde e também nos arranjos e projetos para amparar estas prefeituras estas famílias. Hospitais, escolas, infra estrutura Estadual para que famílias possam, não apenas serem SOCORRIDAS nos momentos de dificuldades. Não adianta SOCORRER nas dificuldades. Não adianta enviar equipes e fazer campanhas de solidariedades nestes momentos, é necessário tomar atitudes antes das tragédias. Tantos os prefeitos, bem como vereadores, deputados estaduais, deputados federais, governadores, senadores e também o presidente.

O erro começa nos municípios. Nas prefeituras que não investigam, nem tem fiscalização de obras. Há um jeitinho que alguns vereadores acham para liberar terrenos invadidos. Há o jeitinho de legalizar o ilegal. De banalizar as leis e a fiscalização. E quando acontece tragédias como estas, ai vem, ai aparecem as verbas de reconstrução, os planos emergenciais, a solicitação de intervenção, a criação de um plano de desocupação. É a atual situação.

Só bolsa família não basta. Tem que fazer muito mais!

Você pode exigir um celular novo!

Reproduzo abaixo o texto do Ministério da Justiça na integra em que nós podemos agora exigir um aparelho celular novo, em caso de defeito!

Brasília, 22/06/2010 (MJ) – O aumento do número de reclamações que chegam aos órgãos de defesa do consumidor envolvendo aparelhos celulares levou os órgãos do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SNDC) a firmarem, no último dia 18 de junho, em João Pessoa (PB), entendimento caracterizando os aparelhos celulares como produtos essenciais.

Com isso, em caso de vício no aparelho, os consumidores podem passar a exigir de forma imediata a substituição do produto, a restituição dos valores pagos ou o abatimento do preço num outro aparelho. A nova interpretação do Código de Defesa do Consumidor (CDC) faz parte de nota técnica elaborada pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça.

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), realizada pelo IBGE, 92% dos lares brasileiros utilizam o serviço de telefonia móvel, sendo que 37% utilizam somente esse serviço. “Há 10 anos, um celular chegava a custar R$ 6 mil. Hoje temos gratuidade e expansão da telefonia móvel e os problemas só aumentaram”, afirma o diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça, Ricardo Morishita.

Dados do Sindec indicam que o volume de reclamações relativas a aparelhos celulares vem crescendo e já representa 24,87% do total de reclamações junto aos Procons, segundo o Cadastro Nacional de Reclamações Fundamentadas 2009. De acordo com o mesmo levantamento, o principal problema enfrentado é a garantia de produtos, que alcança 37,46% das reclamações referentes a aparelhos celulares.

Em regra, os varejistas, fornecedores imediatos do produto, não assumem a responsabilidade sobre os defeitos apresentados pelos aparelhos, o que obriga os consumidores a procurar os fabricantes para a solução do problema. Ao procurar os fabricantes, os consumidores são encaminhados às assistências técnicas ou aos centros de reparos dos fabricantes (por meio de postagem nos correios).

Consumidores relatam, no entanto, diversos problemas no atendimento prestado pelas assistências técnicas, como por exemplo: inexistência de assistência no seu município, recusa da assistência em realizar o reparo, falta de informação na ordem de serviço, falta de peças de reposição, demora no conserto do produto para além do prazo de 30 dias, retenção do produto depois de tê-lo enviado pelo correio para o fabricante sem qualquer registro ou informação.

As dificuldades dos consumidores em conseguir soluções eficientes e os dados de reclamações do Sindec foram discutidos com o setor em diversas ocasiões desde o ano de 2007, sem que uma alternativa de solução fosse apresentada. As assistências técnicas também foram ouvidas pelos órgãos do SNDC e informaram que na maioria dos casos o problema pode ser identificado rapidamente.

Empresas que não cumprirem o novo entendimento do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor estarão sujeitas a multas de até R$ 3 milhões e medidas judiciais cabíveis. “A responsabilidade não pode ser transferida para o consumidor. O problema é de quem vendeu e não de quem comprou”, afirmou o diretor DPDC. “Política de qualidade não é só tecnologia. É também respeito ao consumidor”, disse.

Para acessar a nota técnica, clique aqui.

Copiado daqui: Direito do Consumidor:  Para SNDC, aparelho celular é produto essencial

Quantos aidéticos tem em Irecê? E na sua cidade?

Não é de hoje que alguns amigos me rotulam de “Adão, o Louco!” Para alguns, o fato d´eu ter uma opinião, expressar esta opinião, defender minha opinião é um ato de loucura. Eu entendo a falta de loucura destes.

A última vez que fui rotulado de louco foi em relação a situação e os relatórios de AIDS no Brasil do ano de 2009. Eu, questionei o fato noticiado de que a AIDS estava aumentando num determinado grupo de pessoas, e eu assim questionei, e também escrevi: Você acredita em tudo que lê? Veja o trecho abaixo:

Eu vejo com desconfiança as informações que nos chegam sobre a AIDS. Eu duvido das informações como chegam. […] Voltando à AIDS, veja abaixo a lista de minhas desconfianças:

Tais informações me fazem desconfiar de que andam manipulando informações sobre esta questão…etc.

Pois bem, naquela época o meu amigo contrário a minhas ideias me disse:

– Rapaz eu trabalho na área de saúde, e a nossa região tem mais de cem (100) casos de AIDS. É um caso triste! Desolação total! O fato é que ninguém sai falando que tem AIDS.

Eu questionei a informação e o argumento dele. E, para mim sobrou o ÔNUS DA PROVA, não é mesmo Beth Santana? Hoje vou provar que o amigo está errado em seus argumentos bem como está equivocado quanto aos números de aidéticos de Irecê. Vou partir do seguinte pressuposto:

Se existem aidéticos em Irecê quem sabe e tem as informações é o Governo Federal. Um pouco mais especifico, o ministério da Saúde. E, é nas informações sobre a saúde que me fio para dizer e informar que em Irecê não tem todos os aidéticos que se espalham por aqui. Não mesmo!

Vamos aos dados com base na Sala de Situação em Saúde do Governo Federal. Veja o primeiro gráfico:

situacao-saude

Não poderia ser mais simples e favorável a minha opinião. O gráfico acima demonstra a quantidade de aidético em Irecê desde 2001 até 2008. É favorável a minha opinião, e contrária aos comentários que circulam na cidade de que Irecê tem centenas de aidéticos. A leitura do gráfico aponta que em 2001 haviam cerca de 4 aidéticos na cidade. Entre 2002 e 2003 morreram os quatro e chegamos a 2003 com dois aidéticos. Em 2004 mais um aidético. Nenhum morto. Em 2005 mais um aidético, e dois óbitos. Em 2006 mais um se contaminou e desde então não há óbito em Irecê até o final do ano de 2008.

Lamento não haver dados neste site para podemos saber se entre 2008 e 2010 é verdade que houve esta explosão de contaminação na cidade. Para sairmos de um número de seis aidéticos em 2007 para uma centena de aidético em 2010. Se fosse verdade tal informação, deveríamos ter aqui um centro de controle governamental para estudar a situação, o que não existe.

A culpa é do município?

  • É possível que o município não esteja informando a realidade aos órgãos e ministério da saúde de forma necessária e real?
  • Será que a secretaria municipal da saúde em Irecê esteja ocultando os fatos dos órgãos superiores competentes?

Se isto fosse verdade, seria também verdadeira o fato de o município estar arcando com as despesas de saúde que seria competência do Estado da Bahia e da Federação, isto nenhum prefeito faz.

Culpa do SUS?

Por outro lado seria conveniente culpar o SUS em não ter uma infra-estrutura tecnológia capaz de obter estas informações corretamente!

  • Será verdade que Irecê tem centenas de casos de AIDS, no entanto, o SUS e sua estrutura é incapaz de atender, saber e organizar tal situação?

Eu duvido de muitas coisas, mas do óbvio, das coisas elementares não me é possível duvidar e ir de encontro.

Porque se espalham tais informações? Com qual interesse espalham que Irecê tem centenas de aidéticos e que a situação está critica? Quem está por trás destas informações? Qual o objetivo deste desserviços? Qual o interesse em espalhar tais mentiras?

Eu posso pensar em várias respostas. Mas, veja que GOVERNO LULA compactua com a ideia estapafúrdia de omissão das informações, afinal, o Governo tirou do ar um site que revelava as falhas da gestão Lula. Assim sendo, é possível que Irecê tenha mesmo centenas de casos de AIDS e no entanto o governo esconde tais fatos. O que temos e onde ficamos então? Temos os dados abaixo sobre a quantidade de soro positivos disponibilizados até 2008, segundo dados do governo, mas será que são dados verdadeiros?

aids-irece

  • Casos de AIDS em Irecê registrado no governo em 2001 e 2002: QUATRO
  • Quantidade de mortes ocorridas em decorrência da AIDS: ZERO.
  • Quantidade de portadores do HIV: QUATRO.

aids-irece-1

  • Casos de AIDS em Irecê registrado no governo em 2003 a 2005: CINCO
  • Quantidade de mortes ocorridas em decorrência da AIDS: TRÊS.

aids-irece-2  

  • Casos de AIDS em Irecê registrado no governo em 2006 a 2008: QUATRO
  • Quantidade de mortes ocorridas em decorrência da AIDS: ZERO.

    Se os dados acima estão corretos, e supondo que nenhum deles tenha morrido, IRECÊ tem registrado no sistema de saúde do governo a seguinte expressão matemática: ((4 + 5) – 3) + 4 = 10.

    Isto mesmo, até final de 2008, pelos dados do Governo, o que penso ser verdade, afinal o Governo Lula pouco fez por este país, Irecê contava com apenas 10 casos de pessoas portadora do Vírus HIV, ou seja, aidéticas.

    Se você que saber da realidade de sua cidade visite este site e pesquise: Sala de Situação em Saúde do Governo Federal.

  • Carências e eficiências das cidades.

    A moto furou o pneu. Não apenas furou, exige praticamente um jogo completo de pneu, roda e câmara de ar. Ou seja, vai ficar uns dois dias parada. Isto me obriga a sair e andar pela cidade. Eu até gosto. O contato com o povo me ensina muito. Sou curioso pela vida alheia. E hoje, duas vidas foi por mim observada.

    O vendedor ambulante.

    Depois que levei Pedro na escola, fui atender a uma loja. No caminho passei por um jovem que ia empurrando um carrinho de mão com pelo menos uns duzentos ou trezentos óculos. Bem vestido, barba feita. Camisa limpa, passada e alinhada com a calça. Saiu para o trabalho como diz a regra.

    Volto na história dele depois.

    A mãe desamparada.

    Depois do atendimento à loja, fui atender Tony, mas, ele me deu um cano e me fez andar dois quilômetros para não encontra-lo. Porém não foi perdido. Na volta, já quase onze e meia da manhã, uma senhora me para na rua e pergunta:

    – O senhor sabe aonde é que tem uma casa da prefeitura que acolhe pessoas com dificuldades?

    Eu olhei a região e na mente fui listando todos os órgãos municipais, estaduais e federais daquele bairro. E pela descrição a única opção era a Secretária de Assistência Social e Cidadania na próxima esquina.  Neste tempo que saímos e fomos em direção ao prédio ela foi logo se abrindo:

    – Olha moço! Veja se tem condição. O avô desta menina, não é certo do juízo. Tá preso. Mas, no mês que vem vai ser solto. Vai voltar pra casa e ele só quer dormir com esta criança. Não foi provado nenhum crime contra ela, mas, ele vive agarrado com ela. Tem dia que não toma remédio. Fica violento. Bate em todo mundo. E, eu tô procurando ajuda para tirar esta menina de perto dele.

    Conversamos bastante. Ela disse que já havia ido ao CREAS. Foi orientada. Recebeu e mantém a guarda da criança. Mas, quer sair da casa onde mora, e é sustentada pela aposentadoria do velho. Mas, tem medo dele abusar da criança devido o histórico de violência recente. Ambas estão no vai e volta dos órgãos responsáveis. O Conselho Tutelar toma conta, dá orientações, MAS, não tem um abrigo para acolher e proteger.

    Levei-as e as deixei na Secretária de Cidadania. Lugar que o Conselho Tutelar encaminhou. O fato desta senhora é que faz algum tempo que ela pede ajuda para proteger esta criança. E o que ela quer? Um lugar para deixar a criança enquanto ela vai trabalhar. Não encontra uma pessoa nestes recintos para encaminha-la para uma creche, um abrigo, um lugar seguro. E, ou, o municipio não o tem.

    O fato é que ela está angustiada porque a data que o ”velho” vai ser liberado se aproxima, e até o momento não conseguiu um lugar para deixar esta criança. Isto é carência.

    De volta ao vendedor ambulante

    Desci a pequena ladeira e cheguei na praça da Matriz. Nesta imagem abaixo:

    S

    Neste corredor da entrada havia um tumulto. E era o vendedor ambulante. Estava cercado por seis agentes de trânsito do município de Irecê. E, chegou uma viatura da polícia militar. Desceu dois soldados fortemente armado.

    – Não corra não! A mercadoria está apreendida. O senhor não dá mais um passo empurrando este carrinho. Fica aqui, que nós vamos recolher toda a mercadoria. Foi um bafafá danado. O vendedor pedindo para não apreender. Deixasse ele voltar. Ele iria embora dali. Não iria mais expor nem andar no centro da cidade. Os policiais se aproximaram: Algum problema? Precisa de nosso trabalho – Ofereceram. Não teve jeito. Tomaram toda a mercadoria do Joabe de Jesus Lopes.

    Chegou um figurão responsável por algum setor da prefeitura e explicou:

    – Veja bem! Não estamos tomando sua mercadoria. Não estamos impedindo o senhor de trabalhar. Queremos que o senhor se regularize. Passe lá no setor se cadastre, receba suas credenciais, e pegue suas mercadorias de volta. Nós queremos que todos trabalhem dentro da lei e da ordem.

    O fato é que os comerciantes legalizados que tem lojas no centro da cidade, vem a muito tempo exigindo das autoridades providências contra os vendedores ambulantes e ou que colocam barracas nas ruas do município de Irecê.  Agora estão cadastrando os vendedores ambulantes e movendo-os para outra área da cidade. Eles resistem.

    O município quer impedir que o acumulo de ambulante nas calçadas jogue os pedestres para as ruas para disputar seu espaço com os carros e motos. Ontem mesmo eu e Kátia fomos advertidos para não estacionar, nem parar de forma alguma na frente dos bancos, igrejas, e hospitais. Eficiência.

    Pelo que se vê, duas pessoas. Duas situações diferentes. No contato com a mãe desamparada vi como tratam a vida e situação das vidas humanas. Sem apoio. Sem ajuda. Sem condições. Sem ajuda. Sem amparo. Sem meios de auxilio. Vai pra lá. Vai acolá. Faz isto. Faz aquilo. Mas, as pessoas são entregues à própria sorte. Depois do mal acontecido, não se encontram os responsáveis. Não se acham quem lhes negou apoio e proteção.

    Esta outra, vê-se o zelo pelo mercado de trabalho, pela economia. Eram seis agentes de trânsitos. Eram três policiais armados para dá apoio e suporte. Apresentaram-se dois responsáveis pelo setor administrativo da cidade para defender o interesse dos comerciantes. Para defenderem os interesses financeiros, imporem ao ambulante a taxa de alvará, a taxa de serviço. Tudo pelo dinheiro. A sorte para a vida.

    E a vida nesta cidade continua com suas carências e com suas eficiências. É só olhar e ver quem sofre de carência e onde existe as eficiências.

    SAC-BA: As questões de informática comentadas

    A Cursotec projeto chamado: INTENSIVÃO CURSOTEC: SAC, com o objetivo de preparar os concurseiros inscritos a irem bem na prova. Eu já comecei a criticar pelo edital. Assim está no edital o que exigiriam dos concursando sobre INFORMÁTICA:

    Conhecimento Específico – Informática: Hardware, Software, Sistema Operacional, Editor de Texto, Planilha Eletrônica e Internet.

    Sem especificações do tipo de Sistema Operacional. Qual editor de texto, qual planilha eletrônica e nada referido sobre internet. Estava claro que a prova seria de amplo e extenso assunto ou seria reduzido e simplificado?

    Só depois da prova foi que vimos que era AMPLO e EXTENSO. Veja abaixo as questões de informática e os devidos comentários.

    questao-sac-26

    Seguindo rigorosamente o Edital, a primeira questão envolve conhecimento sobre Hardware e Software. Suas funções e diferenças.

    BRIDGE não é um programa. Bridge é um equipamento, relacionado a tecnologia de transporte de rede e também internet. A descrição “programa que serve para reorganizar os arquivos em disco, para que sejam armazenados em locais contíguos”, é a descrição da ação do software: SCANDISK.

    Sobre Firmware, creio que muitos candidatos acertariam se a banca usasse a expressão ROM-BIOS. Esta é daquelas informações que digo: Exige-se conhecimento técnico do concursando. Mas, no momento que a máquina parar de funcionar, chama-se o “o cara da informática”.

    É quase este conjunto de palavras que uso para explicar a utilidade do Windows Explorer.

    Resposta certa: 04) – F V V

    questao-sac-27a

    Esta questão, ainda que não citado, tem uma informação que faz referência ao LINUX. A expressão: “Uma pequena correção no Sistema Operacional” pode ser entendida como: ATUALIZAÇÃO. E Kernel é o nome para designar o NÚCLEO do sistema operacional. ( F )

    De fato BOOT é a expressão que designa o processo em que o Sistema Operacional toma conta do equipamento. ( V )

    A terceira questão é (F), e há uma informação que muitos podem querer questionar. Porque esta questão é Falsa, sendo que o MS-Windows 3.1 foi fabricado pela Microsoft? É que o MS-Windows 3.1 não é considerado um SISTEMA OPERACIONAL e sim um AMBIENTE GRÁFICO do Sistema Operacional MS-DOS 6.xx. Naquela época, a Microsoft vendia o MS-DOS e o ambiente gráfico acompanhava o Sistema MS-DOS.

    Eu penso que esta pergunta é uma tremenda SACANAGEM da banca. Afinal, que importância tem para qualquer função atual saber das características do Windows 3.1? O SAC ainda utiliza algum sistema baseado em MS-DOS com ambiente gráfico Windows da década de oitenta?

    Resposta certa: 02) – F V F

    questao-sac-28

    1) – Configurador? Bem, isto não é algo que podemos dizer que existe em informática. Há INSTALADOR e ou SETUP. Programa que normalmente se utiliza para instalar software tipo aplicativo, e ou, é utilizado para instalar software para hardware e drivers. Mas, o nome configurador, talvez se use em outro tipo de serviço. Porém, não é a resposta.

    2) – Thrashing. Esta é uma informação  técnica. Afinal esta palavra, THRASHING está diretamente ligada como o sistema operacional tem que lidar com o acesso de  trocar de informações entre a memória RAM e o disco rígido. Na tradução THRASHING é igual á DEGRADANDO, ou DEGRADAÇÃO da memória, e está ligado a certos momentos de lentidão no seu computador.

    3) – PLUG AND PLAY é igual a LIGAR e USAR. É a tecnologia criada pela Intel, e popularizada com o WINDOWS depois de 1995. E serve para isto mesmo, configurar automaticamente um novo hardware. (V)

    4) – BOOTING, é uma palavra associada a BOOT que é ligado ao ato de ligar e inicializar o sistema de informática.

    5) – Page Frames tem ligação mais com bordas de páginas.

    Para esta questão exige-se conhecimento teórico e técnico de informática.

    questao-sac-29

    Resposta certa: 02

    Spooling ou simplesmente Spool (do acrônimo Simultaneous Peripheral Operation Online) refere-se a um processo de transferência de dados colocando-os em uma área de trabalho temporária onde outro programa pode acessa-lo para processa-lo em um tempo futuro. – Spooling – Wikipedia. As demais opções:

    Thrashing e Booting veja questão anterior. Multiprocessamento e Multiprogramação estão ligados a outras áreas. Nada com impressão.

    questao-sac-30

    Esta questão também exige certo conhecimento dos tempos passados da informática, e não são todos quem conhece a história.

    Bug é um erro no funcionamento comum de um software, também chamado de falha na lógica programacional de um programa de computador, e pode causar discrepâncias no objetivo, ou impossibilidade de realização, de uma ação na utilização de um programa de computador. – BUG Wikipédia.

    As outras opções:

    COBOL antiga e ainda usada linguagem de computação.

    SPOOFING – No contexto de redes de computadores, IP spoofing é uma técnica de subversão de sistemas informáticos que consiste em mascarar (spoof) pacotes IP utilizando endereços de remetentes falsificados.

    ASCII – (acrônimo para American Standard Code for Information Interchange, que em português significa "Código Padrão Americano para o Intercâmbio de Informação") é uma codificação de caracteres de sete bits baseada no alfabeto inglês.

    POLIMORFISMO faz referencia a técnicas e conhecimento de programação.

    Minha critica à prova aplicada, fiz parte da critica na parte de cima do texto e agoro concluo dizendo: A banca exige um conhecimento amplo, extenso, e de uma profundidade que não justifica tal exigência para nível médio.

    Nem as provas para quem concorre para o cargo de informática tem perguntas que voltam vinte anos nas informações e na história da Internet. Em especial, porque o candidato na execução de suas tarefas necessitará de tais informações, ou seja, saber a história da informática.

    Outras bancas exigem conhecimentos atuais, modernos e fazem referências a atualidade tecnológica, esta aqui, quer voltar para o inicio da revolução da informação da década de 80 e 90. Inaceitável.

    Clique aqui e faça o download das outras 10 questões comentadas.