Windows 7 ainda não é da Microsoft

“Atualizar os programas da Microsoft não é brincadeira, demanda muito tempo e seguidas reinicializações. Por isso é que tenho estado ausente dos meus blogs e dos blogs dos amigos.“

A frase acima foi o Lailo quem escreveu, neste texto: Fazer coisas simples ou viver perigosamente?

No meu comentário, eu o avisei que nesta semana eu passaria a usar o Windows 7. De fato tenho usado o dito cujo, desde a terça-feira.

Hoje, no entanto, fui atualizar alguns recursos do Windows 7, e vi uma promoção para quem usa o Windows Original. Era uma promoção de  3 cursos gratis. Veja a imagem abaixo:

curso-gratuito

O curso é  oferecido pela E-curso. Tem qualidade e competência divulgada, e que, precede a marca. O que eu fiz? Fui conferir.

Ao clicar fui notificado que era necessário verificar se o Windows que eu estava usando era um produto original. O que eu pensei?

– ha, ha, ha Windows 7! Chave enviada pela Microsoft! Devidamente registrado! Catalogado como original e com status de ativado no gerenciador do sistema. É com absoluta certeza um software Original Microsoft. Avancei confiante. Eis abaixo a resposta:

w7-naoehdamicrosoft

Tem ali o lembrete, FOR TESTING PURPOSE ONLY, mas, por esta eu não esperava.

A primeira parte da informação está correta: Não há suporte para a validação dessa versão do Windows. Porém, a opcional OU, não é verdadeira.

idiotas, ignorantes e bigorrilhos

Foram três dias ruins.

  1. Segunda-feira, quando ela passou todo o dia acamada, choramingando e reclamando das dores abdominais;
  2. Terça-feira, quando forçados pelar circunstâncias fomos para o Hospital Regional de Irecê;
  3. Quarta-feira, quando finalmente ela voltou para casa, porém, ainda fraca e sentido dores quando se alimenta.

Segunda-Feira

Como a maioria dos humanos ficamos no chá e nos procedimentos caseiros para solucionar a situação, enquanto pensávamos se tratar tão somente de mais uma das diversas situações de prisão de ventre. Não foram suficientes nem os chás, muito menos, os analgésicos que alguém do PSF receitou ser tomado de 8 em 8 horas.

Terça-feira

Ao amanhecer ela saiu para comprar café e quando voltou, desmaiou na entrada da sala. Peguei-a com dificuldades e coloquei-a no sofá. Suava intensamente. Os pés e as mãos estavam frios. A face brilhava com o reflexo da luz solar sobre a sudorese. Os lábios esbranquiçados, e as convulsões intestinais provocada por fecalomas e escatomas, alertava para um quadro clinico pior do que o esperado.

Não é atoa que em certas parábolas, vistas muitas vezes como humor, o rei do corpo e aquele que pode fechar toda e qualquer tipo de saída dos excremento, sejam eles sólidos ou gasosos.

Quem sofre destes males sabe a dor, e a intensidade das convulsões intestinais. E, por conta duma situação desta natureza, que deu inicio a uma série de outros problemas que se relacionam e estouraram tudo e todos no mesmo dia.

Lá fomos para o Hospital Regional de Irecê.

O atendimento não demorou, entretanto, para quem sofre algum tipo de dor, um minuto nunca é sessenta segundos, por isto, é que existe a teoria da relatividade.

Existe solidariedade na fila do atendimento. As pessoas, vendo a situação, concordaram que ela fosse atendida na frente, porém, aquele que recebe as fichas, mesmo vendo a situação, ouvindo o acordo apenas disse-me:

– Todos aqui é emergência! Não posso colocar ela na frente.

Foi necessário a intervenção de uma senhora, que liderou o movimento para que aqueles que estavam sentido dores e visivelmente em situação de penúria e sofrimento extremos, ameaçar:

– Vocês vão ver coisa é se um destes pacientes aqui desmaiar e cair no chão, ai vocês vão ver o samba do crioulo doido!

Depois disso, o atendimento, foi mais rápido. Em 3 minutos ela recebeu a ordem de internamento e foi obrigada a passar dois no hospital. Soro. Enfermeiras. Médicos. Leitos e muitas piadas.

Mercenários

É triste saber e ver que algumas destas pessoas, estão ali tão somente pelos vencimentos. Profissionais da saúde que com atitudes desrespeitosas faz envergonhar a mais famosa de todas as enfermeiras:Florence Nightingale.

Os pacientes ouvem piadas e comentários sarcásticos. Os pacientes são satirizados, ridicularizados com os comentários mais baixos e evasivos possíveis. Parece ter o intuito de intimidar reações dentro deste grupo debilitado e necessitado por seu organismo.

De que adianta ter tantas instalações, ter atendimento rápido se estes profissionais fazem com que se adoeça a mente e as emoções?

As pessoas não adoecem por querem. Há diversas doenças que contraímos involuntariamente. Porém, há muitas outras que provocamos, e que, elementos externos nos açoitam.

Com certeza, receber o tratamento com certos profissionais, do tipo  e com as maneiras, com que estes nos atendeu no Hospital Regional de Irecê, faz com que o paciente perca as forças e os médicos são obrigados a procurar outros caminhos, porque quando o paciente chega, o médico prescreve os medicamentos, dietas e cuidados baseado nos conhecimentos da patologia examinada. Tais descuidos e atitudes pelos profissionais que auxiliam os médicos, põem tudo a perder.

Enquanto a administração vem se esforçando para fazer o melhor que pode para tudo funcionar a contento, estes mercenários, faz muitas coisas boas serem esquecidas. Uma só coisa ruim, põem muitas coisas boas a se perder.

Quarta-Feira

Diante do quadro pintado acima, quando o médico perguntou:

– Como está se sentindo hoje?

Ela mentiu. Ela desejava sair daquele lugar em que os profissionais formados por diversas escolas da cidade, da região e da capital, se esqueceram, e talvez, nunca tenham aprendido que “mente sana in corpore sano”

– Estou bem!  – Disse ela ao médico.

Chegou em casa, com cefaléia e as dores abdominais a acompanharam o resto do dia. Passei o dia desta quarta-feira em casa cuidando dela. Dando-lhe água, sucos, alimentação pastosa e regrada.

Ao longo do dia, ela foi me relatando o que ouviu, e como reagiu a certas piadas e comentários indelicados que um ou outro enfermeiro(a) pronunciou na ala de Observação II do Hospital Regional de Irecê.

Estes comentários tanto foram dirigidos a ela, quanto a outros pacientes, que diante da necessidade, se calam e humildemente, submetem-se a tais algozes e mutiladores da saúde mental e emocional. Minam os pacientes com suas mini-certezas. Mal sabem que ao tratar estas pessoas de tal modo, continuarão, a ter que recebe-lós continuamente nestes recintos.

Três palavras os definem de forma geral e irrestrita estes profissionais que assim agem, e assim agiram nestes dias:

  • Ignorantes: Porque que não possuem a habilidade e o saber que a sua profissão exige;
  • Idiota: Porque são pessoas de inteligência curta. Aprenderam uma  técnica, mas, não tem em si as virtudes necessárias;
  • Bigorrilhos: Porque são pessoas reles e fracas, que só conseguem ser fortes sobre os mais fracos e necessitados.

Eis o que são estes que assim agiram na Observação II do Hospital Regional de Irecê.

Alguns próximos, poderão dizer que temos problemas com a administração pública e que sofremos de algum tipo de esquizofrenia, e sempre estamos pensando que somos perseguidos e sofremos destrato, e talvez, até que aumentamos tais casos.

Se você assim pensa, tomara que nunca aconteça a você o que vimos acontecer. Por outro lado, acompanhe alguém lá e observe o que acontece para suas conclusões.

BlogBlogs de novo!

Já adicionei o serviço do indexador nacional de Blogs duas vezes, e em ambos os casos, removi por apresentar alterações e dificuldades de acesso ao blog.

Porém, a Iara fez uma propaganda boa do serviço, que lá vou eu de novo tentar instalar o tal do widget do BlogBlogs.Com.Br .

Faço sem muitas esperanças, porém com a curiosidade de sempre! Ver como se comporta. Depois, é só remover umas linhas de código no template mesmo!

Indexador de Blogs no Brasil: Blog Blogs.Com.Br

Nem durou muito. Já vi que os problemas com o meu cadastro continua com o mesmo problema. Não adianta eu tentar mudar, esperar, insistir, procurar meios diversos, o serviço simplesmente não funciona com o meu contato.

O que já fiz para resolver?

1 – Excluir meu contato no serviço, porém, eles não deletam.

2 – Pedir ajuda aos responsáveis pelo serviço. Tiveram até boa vontade, mas, boa vontade não resolve nada. O que precisava ser feito não fizeram.

3 – Fiz novo cadastro. Não conseguir reclamar o blog porque já havia sido reclamado com o cadastro anterior.

4 – Pedi ajuda pela segunda vez. Responderam mais rápido, mas, o problema não foi resolvido.

Mas que raio de problema é este Adão Braga?

O Widget de últimos visitantes não funciona. Deveria funcionar, e funcionava assim:

Vou ao site do BlogBlogs, faço o login. Permaneço logado. Visito os blogs em que a ferramenta é utilizada, e não fica registrado que eu visitei o Blog na ferramenta. Neste instante estou logado, e visitei pelo menos os seguintes blogs:

  • Cármen Neves, que fui em quem cadastrou o blog dela, e ativei o serviço;
  • Sarah Rúbia, que sei que ela tem a ferramenta no blog dela;
  • Iara Alencar, que pelo texto dela, resolvir re-utilizar o serviço.

No entanto, o BlogBlogs não funciona com este blog, mas vou deixá-lo ali, até que um dia ele funcione, ou até que eu me canse dele novamente, tal qual antes.

Vou lá fazer um pedido de ajuda.

BlogBlogs

Pode ser o maior, mas, neste blog parou de funcionar, e ainda, depois de 1 ano, não teve conserto!

U P D A T E -I:

Não demorou tanto como pensei que demoraria. No primeiro cliente que visitei hoje, ao acessar o blog, recebi a noticias de que havia um script no site que estava se comportando mal, e que iria travar o computador. Adivinhem qual o script? Este mesmo. Removi as linhas da configuração, e tudo voltou a funcionar.

 U P D A T E -II:

Conseguir remover o erro, entretanto, mesmo logado, o serviço não registra minhas visitas. Mas, vai ficar ai, até eles mudarem algo no serviço. Por enquanto, fica neste acordo unilateral.

Quando tudo falha!

Quando resolvi dedicar-me à doutrina ensinada pela Igreja Adventista do Sétimo Dia, em 1985 eu o fiz com sinceridade, dedicação e empenho. Aprendi e sabia todas as 27 doutrinas da igreja. Não apenas freqüentava aos cultos. Eu sabia defender a doutrina que a Igreja me ensinou. (E, não tentem inventar argumentos, que ainda sei pelo menos uns 300 versiculos com referencias gerais.)

O objetivo do parágrafo acima é afirmar que estudei a Bíblia todos os dias dos 18 anos em que prometi ser fiel . Afinal,  respondi  consciente, espontaneamente e de livre vontade aos 13 itens do voto batismal em setembro de 1986. E o que a Bíblia me ensinou? Muito! Aprendi muito com os exemplos que ela me cita. Muitos até admiram, e outros se assustam, quando digo que sou pessimista, fatalista, apocalíptico, cínico entre outras correntes filosóficas do gênero.  

Hoje, vou aproveitar um dos textos da Bíblia para desabafar o meu dia de hoje. O texto é baseado na segunda carta de Paulo a Timóteo no capítulo 4 e nos versículos 8 a 22. Paulo estava numa situação difícil. É dedutível que o dia da execução de Paulo já estava marcado. Por isto, ele declara:

Procura vir ter comigo depressa, Porque Demas me desamparou, amando o presente século, e foi para Tessalônica, Crescente para Galácia, Tito para Dalmácia. Só Lucas está comigo. Toma Marcos, e traze-o contigo, porque me é muito útil para o ministério. Também enviei Tíquico a Éfeso.

Quando vieres, traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, e os livros, principalmente os pergaminhos. Alexandre, o latoeiro, causou me muitos males; o Senhor lhe pague segundo as suas obras.”

Não é fácil para mim saber a data de minha execução e ainda manter esta calma. As palavras “procura vir ter comigo depressa”, indica a urgência da visita. Talvez a última. Vem ainda os seguintes agravamentos:

  • Demas me desamparou … foi para Tessalônica.
  • Crescente foi para a Galácia;
  • Tito foi para Dalmácia

Possivelmente estes amigos, o abandonaram pela situação. Não queriam ser visto com um condenado, perseguido pelo império, excluído do sistema, pária social. Fugiram. O alento é, mas, até em tom de desabafo: Só Lucas está comigo. Estas palavras, é uma maneira de dizer: “O único que eu entenderia a deserção, é o único que permanece ao meu lado”.

Lucas é o mesmo que escreveu o Evangelho que tem o seu nome. Ele nem judeu era. Lucas era médico. Era grego. Mesmo se não estivesse com Paulo, ele teria prestigio e profissão para se manter, mas, preferiu ficar ao lado do amigo condenado. Foi o único.
As necessidades de Paulo são extremas, além da pressão mental, emocional, psicológica em saber que em breve irão lhe cortar a cabeça, vem as necessidades físicas, materiais, temporais e circunstanciais.

Com a morte iminente, Paulo não tem uma lista de atividades a serem cumpridas, ele apenas pede: Traze me a capa que deixei em Trôade. Me traz os livros. Que serenidade. Que paz de espírito. Que domínio. Invejável tal comportamento ante a execução datada.

Eu não ajo assim porque sou reclamão, chorão, resmungão, murmurador. Além destas agruras, e como dizem: não há nada ruim que não possa piorar, eis o que aconteceu com Paulo: “Alexandre, o latoeiro, causou me muitos males; o Senhor lhe pague segundo as suas obras.

Este Alexandre era membro da igreja em que Paulo viveu. Ao ler as palavras de Paulo, deduz-se que ele tenha participado das acusações que ajudaram na condenação do apóstolo. Mesmo em situação tal, Paulo, apenas se resigna: “O Senhor lhe pague segundo as suas obras.”

Nestes momentos, eu logo pergunto, porque ele pagará ao Senhor no último dia, enquanto eu tenho que pagar aqui e agora.Paulo  ainda aproveita para aconselhar ao amigo: Tu, guarda-te também dele, porque resistiu muito às nossas palavras.

Quando somos abandonados à própria sorte em momentos difíceis, somos marcados. E assim Paulo escreve: “Ninguém me assistiu na minha primeira defesa, antes TODOS me desampararam. Que isto lhes não seja imputado.

É dolorosa tal situação. E por isto escrevo esta reflexão. Não foi a primeira vez. Não será a última. Mas, só para desabafar e dizer-vos que aqui estamos. Aqui vivemos, aqui sofreremos.

Nestes momentos é que a fé nos embala, e a maioria daqueles que não creem nos efeitos da fé e do ópio que é a religião, dizem, que quem crer e tem fé são tolos. Nestes momentos, ainda que os próximos pulem fora, os aliados nos denunciem, façam acusações falsas que não consigamos nos libertar, ainda nos resta um amigo do tipo Lucas, um amigo do tipo Timoteo que possamos escrever uma carta, um e-mail, um desabafo.

E por fim avisar a estes fiéis amigos tal qual Paulo pediu a Timóteo: O Senhor assistiu-me e fortaleceu-me […] Procura vir antes do Inverno. Hoje, assim me sinto. Assim estou. Todavia, espero o ombro amigo dos Lucas,  a leitura atento dos Timóteos, e o amparo e consolo que a fé me traz.

Castelo dos Desejos – Cármen Neves

Esta semana terminei a segunda leitura do Romance Castelo dos Desejos da querida Cármen Neves.  A Cármen Neves, castelo-dos-desejospode ser encontrada nos seguintes endereços:

  1. Só para dizer que tenho um Blogue;
  2. Cármen Neves: Prosa e Versos.

Para saber mais sobre ela, visite os links e leia sobre ela.

O Romance, Castelo dos Desejos, me envolveu na história. Subi e desci todas as escada. Abri cada uma das portas. Olhei cada uma das janelas. Vi cada um dos objetos de artes mencionadas. Vi o olhos da mocinha e virgem. Vi as roupas pretas do protagonista. Participei das festas. Recebi os convidados, bebi e comi. Vi cada vestido. Cada vinho aberto. Cada mesa posta.

O romance trouxe-me uma visão adicional do amor. O romance despertou em mim o desejo de pensar e refletir sobre temas, tais como:

  • Existe alguma regra para os seres amarem e não amarem?
  • Quem está apto a amar? Existe algum tipo de criatura que não sinta amor?
  • Quem pode limitar o raio de ação do amor?
  • Qual a linha limite entre o poder e o livre-arbitrio?
  • Quem tem poder de burlar o livre-arbitrio é limitado pelo amor?

Ocorreram-me várias outras indagações. Mas, vou ater-me a comentar O Romance: Castelo dos Desejos, onde Cármen nos conta uma história de um dos descendentes de um personagem famoso, inigmático, romântico e imortalizado na literatura, no teatro, e nos cinemas.

Os personagens do romance tem carisma, porém, o que mais gostei do romance foi a interação que Cármen fez com pessoas reais, em especial, com os textos de amigos, poetas e poetisas, escritores famosos, conhecidos e anônimos, tal qual eu.

Amei a maneira como ela inseriu no livro os nosso textos, como sendo, memórias do protagonista da história. Lá estão vários poemas, inclusive o que lhe enviei, na página 185. E, também o de Beth, na página 168.

A ponta de inveja, fica por ver que o Roberto P. do Amaral Pereira teve vários textos incluidos no diário do protagonista da história, mas, sei que se tivesse enviado outros textos ela teria incluido, e bem me lembro, das vezes que ela insistiu para que eu enviasse o texto para ela inserir na história, assim, a culpa de haver apenas 1 texto, é minha.

Já vi que a edição do Castelo dos Desejos, está com a edição esgotada, e esta semana, estarei emprestando a minha edição, especial, autografada para alguém.

Se vocês tiverem a oportunidade de ler este romance: Castelo dos Desejos, aproveite a leitura.

O papel do EJA e do ENCCEJA na educação básica.

Quando escrevi sobre: Obtenha seu diploma pelo ENCCEJA, me lembrei hoje que tinha em mente escrever sobre o mesmo assunto num texto posterior. Demorou um pouco, mas volto ao assunto.

Me sinto injustiçado por este meio de obtenção de diploma de conclusão de cursos. Não injustiçado por aqueles que por motivos diversos ficaram afastados das salas de aulas, mas, injustiçado por todos aqueles que estão atualmente aproveitando deste recurso para ficar o ano letivo na vadiagem, e depois, as escolas os jogam dentro deste recurso, e os aprovam, os formam sem que tenham aprendido o conteúdo.

A criação do ENCCEJA teve um objetivo, e é também, usado de outras formas. Eu que entrei na escola aos seis anos em 1974 atravessei todo o período estudando, fazendo tarefas escolares, indo e vindo em bibliotecas, andando muito para chegar a escola, me esforçando para ser aprovado, e finalmente, adquirir o diploma de conclusão de curso.

Agora, os marmanjos, e as direções das escolas públicas municipais e estuduais, orientam aos pais:

– Preocupa não! Se ele ficar atrasado, ele faz o EJA e acompanha os outros.

O EJA é outro pacote de novas idéias para ajudar os alunos, os municipios e os Estados com a questão da repetência escolar.

As diferenças entre ENCCEJA e EJA!

Estes programas foram criados e idealizados para resolverem questões especiais.

O principal objetivo do Encceja é avaliar as habilidades e competências básicas de jovens e adultos que não tiveram oportunidade de acesso à escolaridade regular na idade apropriada. Dessa forma, o participante se submete a uma prova e, alcançando a média mínima exigida, obtém a certificação de conclusão daquela etapa educacional.

O ENCCEJA, foi criado para estas pessoas que afastaram-se da escola por motivos variados, e também, para acabar com aquelas escolas e picarestas que sobreviviam com os Supletivos.

O projeto, na minha opinião, coloca em dúvida a utilidade e finalidade da escola. Se eu posso, mediante um conjunto de testes e provas, textos e redações provar que tenho tais capacidades e competências, para que irei à escola?

Espero o tempo passar, não vou à escola, e faço as provas. Porém, se não fui à escola, como poderei adquirir conhecimento, capacidades e competências? Eles explicam em simples palavras: “os saberes das vivências do individuo”

No ENCCEJA, o participante se submete à prova e, alcançando a média, obtém a certificação de conclusão do Ensino Fundamental ou do Ensino Médio.

  • Seria uma desvalorização daqueles que foram todos os dias de todos os anos letivos?
  • É uma valorização do conhecimento empirico sobre o teorico?
  • Há alguma diferença entre ambos?
  • Os responsáveis pelos RH tratarará alguém diferente em saber que ele tem o certificado conferido pelo ENCCEJA?
  • Há vantagens, além dos saberes e vivências diárias escolares, para estes que estudaram todos os dias?

Na outra ponta, existe o EJA.

O EJA, é o Ensino de Jovens e Adultos. O objetivo deste projeto é auxiliar. Porém, até macaco que é menos evoluido do que humanos, optaria por este projeto.

O EJA é uma modalidade específica da Educação Básica que se propõe a atender a um público ao qual foi negado o direito à educação durante a infância e/ou adolescência seja pela oferta irregular de vagas, seja pelas inadequações do sistema de ensino ou pelas condições socioeconômicas desfavoráveis. […] São homens e mulheres, trabalhadores/as empregados/as e desempregados/as ou em busca do primeiro emprego; filhos, pais e mães; moradores urbanos de periferias, favelas e vilas. São sujeitos sociais e culturais, marginalizados nas esferas socioeconômicas e educacionais, privados do acesso à cultura letrada e aos bens culturais e sociais, comprometendo uma participação mais ativa no mundo do trabalho, da política e da cultura. (Refletindo sobre o EJA)

Tanto o ENCCEJA quanto o EJA são projetos com finalidades específicas que estão sendo usados de forma a burlar o sistema educacional. Tanto há os que ficam sem estudar e querem aproveitar do ENCCEJA, bem como há, alunos nas escolas aproveitando do EJA.

Enquanto o ENCCEJA abrange pesssoas de idades maiores de certos anos, o EJA, tem sido usado por jovens depois dos 18 para poderem acelerar os estudos, tão somente porque quiseram e optaram pelas festas e baladas. Mas, porque o EJA? por que no EJA,  

“A duração dos cursos é mais curta e o currículo mais compacto, porque considera “os saberes das vivências dos alunos”. Porém, une na mesma sala de aula alunos de faixas etárias e realidades distintas.

Tenho dois vizinhos que agem de acordo com o sistema. Passam os dias do ano no ócio. Nada fazem. Ficam parados. No ano seguinte participa de algum programa de aceleração para acompanhar aqueles de sua idade que estão em série diferente da que ele parou. Sendo um caso (EJA) ou outro (ENCCEJA), há uma sensação de que fui engando, que fui injustiçado em passar todos os anos na escola.

No mercado de trabalho, nos concursos públicos, nos diversos setores sociais, somos iguais, porque o papel que tenho que diz que sei, ele também tem. 

A situação é que os projetos estão sendo utilizados para fraudar o sistema. E se não bastasse, esta semana ouvi uma diretora e uma professora incentivando tal conduta para ficarem livre de certos alunos.

A verdade é que atualmente, temos cada vez mais pessoas com nivel superior sabendo menos do que se ensinava no segundo grau da década de 80.