Mostrar pastas e arquivos ocultos foi mudado para o número 1

É repetido, mas, a forma como os piratas da internet fazem suas atividades criminosas não deixa de ser criativas, e inteligentes. A imagem abaixo mostra como é que as  Opções de Pasta foi modificada para que o usuário não pudesse mais modificar a configuração.

 

1

A ação do software malicioso, consistia em impedir a mudança dos atributos dos arquivos, e assim, impedia que se pudesse verificar tais arquivos ocultos e protegidos pelo sistema. Neste caso, eu utilizei os seguintes softwares para eliminar tais softwares maliciosos:

1 – ComboFix;

2 – BankerFix;

3 – MSNCleaner;

4 – Spybot & Search and Destroy

Porém, mesmo depois de feito tal remoção, a configuração permaneceu, e tive que editar a configuração no registro para voltar a configuração anterior. Se você tem o mesmo problema, faça assim:

1 – Clique em Iniciar;

2 – Clique em Executar;

3 – Digite Regedit;

4 – Clique em OK;

Vai aparecer o programa Editor de Registro. Cada uma desta pastas amarelas.

image

Na imagem já está exemplificado como você deve fazer. Clique no sinal de adição em:

  • HKEY_LOCAL_MACHINE
  • SOFTWARE
  • Microsoft
  • Windows
  • CurrentVersion
  • Explorer
  • Advanced
  • Folder
  • Hidden
  • SHOWALL

Quando você chegar neste último. Olhe para a direita e você verá os itens como mostro na imagem abaixo:

2

Aplique um duplo clique em Text, como mostro na imagem, e substitua o texto existente por: Mostrar pastas e arquivos ocultos.

3

E sua configuração voltará a ficar como na imagem acima. Tenha cuidado com os links que você clica, com os sites que visita, com os e-mails que recebe, com os pen-drives, celulares, máquinas digitais, mp3,4,5,6,7,8,9 que se pluga nas portas USBs do seu computador, e por fim, Boa sorte!

Eu, o mundo, Dickens e o Natal.

jimcareyEu não sei quando, mas, foi em algum dia qualquer do passado que passei a não gostar de certas épocas do ano. Não gosto de época de Natal.

Hoje, penso que é porque, todos querem dar a sua receita de um natal feliz. Todos querem dizer que o natal é época de paz, harmonia, confraternização, dar e receber presentes. Menos eu e um tanto de outros bichos-do-mato à minha imagem e semelhança.

Não só época de Natal me enfadonha, algumas outras datas especiais, em que todos se voltam para querer ser, e, aparentar ser o que nem sempre somos. Mas, como diz, outro amigo: tudo é valido!

Normalmente, quem estar por perto não entende a minha solidão e desejo de isolamento. As vezes nem eu tenho uma explicação lógica. Apenas não gosto. É uma sensação gostosa de isolamento, mas, não de solidão. Eu prefiro estar e permanecer quieto, a ter que ir e permanecer num jantar.ads_shrek_natal

O natal chegou. Já ouvi, não sei quantas vezes as mesmas e velhas frases chatas e repetidas:

  • Deixe o espirito de Natal …
  • Jesus nasceu em Belém, deixe-o nascer em seu coração …
  • Ho! Ho! Feliz Natal…
  • Então é Natal, a festa cristã, então, bom natal…

As músicas natalinas e seus dingobeis, me deixam irritados. Todos querem tocar as mesmas músicas, aliás, só tem as mesmas músicas a serem tocadas.

Não me lembro dos natais anteriores, talvez, isto ocorra,  porque não me importo com a época. Entretanto, sei que todos os anos, os filmes de natal pipocam em todas as emissoras. Só nunca passaram Duro de Matar I, porque, apesar do filme ser de ação, explosões, morte e violência, a história do filme é em época de Natal, no entanto, os outros, todos se repentem todos os anos. Até já fizeram uma adaptação da história do Dickens para a Barbie… barbie

É o lenga-lenga de sempre nos natais. Eles fazem de tudo para que todos estejam incluidos ou possuidos pelo tal espírito natalino, e baseado, e adaptando a história de Dickens, há uma grande quantidade de filmes, desenhos, peças, músicas, etc, etc, etc, etc, etc, etc… (pode tantas etc juntas?)

“Todos” querendo de alguma maneira, modificar os rabujentos tais como eu. Nesta empreita, se tornam também rabujentos em seus argumentos e métodos. Todos querem repetir os passos daqueles que ajudaram Ebenezer Scrooge a mudar sua visão e opinião sobre o natal.

Não sou e não agrupo em mim todos os adjetivos do velho Ebenezer Scrooge. Não sou solitário. Não sou avarento. Não sou empresário. Não sou rico. E não me incomodo com a felicidade “quase” generalizada nesta época. Apenas, me reservo o direito de não me envolver com as comemorações, apesar de, quando tinha bons rendimentos, financiar todos os festejos. Este ano está sendo magrinho.

Não sou perturbado com as idéias de ser penalizado no futuro porque assim penso do Natal. Não tenho ninguém para vir avisar-me de que é infeliz no além-tumulo, porque nalgum momento da vida, ele descreu no natal.

Penso que todos devemos agir e viver nossas vidas com este espírito de bondade, mansidão, alegria, felicidade… pelo maior período que se possa viver e estar.

Não sou infeliz. Não sou avarento, sovina, sou sim, um chorão, reclamador e insatisfeito com o muito que me chega, o pouco que tenho, e o tanto que me falta.

Devemos aprender com a época de natal, e com a história contada por Dickens, que podemos sim, vivermos num mundo capitalista, avarento, soberbo, que exige a competição entre os semelhantes, estimula as desigualdades sociais, e também sermos espirituais, bondosos, alegres, compartilhadores, amigos.

É possível. E não só no Natal!

Não é necessário um espírito do passado para me revelar natais infelizes. Não os tive. Não necessito de um espírito do Natal futuro, porque, natal será sempre natal. E, nem um natal presente, para mostrar que sou infeliz agora, porque no passado, agi daquela maneira, e que no futuro amargarei outras decepções e infelicidade, afinal, apesar de não gostar do natal, eu aproveito muito bem a festa do natal.

Vírus e Malwares: Contaminação por diversos meios e diversas mídias

Este fim de semana, uma vez mais, a turma do vai ter que formatar passaram vergonha. Na sexta-feria, encontrei um velho conhecido, que me perguntou se eu poderia formatar o Netbook dele, uma vez que estava na cidade, estava de férias da faculdade, estudante não tem grana, etc, etc e tal. Marquei para o domingo, ontem 21/12/2008 para fazer a formatação e instalação.

Ao chegar, perguntei as razões que motivava o desejo de formatação.  Ele me informou o seguinte:

Os colegas da faculdade, que fazem analise de sistema, disseram que este vírus que está ai, só sai se ele for formatado.

Se eles disseram isto, vou analisar, e digo se necessita ou não de formatação.

portable-antivirusUm NETBOOK é um mini-notebook que vem com disco SSD de 2 ou mais de 8 GB,  com 1 GB de RAM, Windows XP Home, bateria para até 3,5 horas de uso e webcam. O peso é de mais ou menos de 1 kg.

Além da popularização dos netbooks, há também a super popularização de periféricos mistos de armazenamento e transporte de dados.

Os pen-drives (memory stickys), os MP3,4,5,6,7,8,9…, as câmeras digitais, cartões de memórias, celulares, etc, com seus diversos tamanhos e utilidades, também se tornaram um dos meios mais eficazes de transporte de vírus, malware, cavalos-de-troias, e tantas outras pragas virtuais.

Este era o caso.

O NetBook deste jovem estava contaminado, e fora contaminado pelo uso promiscuo destes meios de transporte de informaçãoa digital. Para surpresa do estudante, eu resolvi o caso sem a necessidade de formatar seu Netbook e reinstalar todos os sistemas do mesmo.

E como fiz? Baixei o Portable Antivirus!

Ele não te desobriga dos demais recursos de proteção, mas é uma boa saída se você utiliza seus acessórios móveis nos mais diversos PC que você utiliza no seu dia-a-dia. ScreenHunter_02 Dec. 22 14.36Ele, remove muitas praga virtuais. Diz a propaganda, que são mais de 200 tipos diferentes de vírus, cavalos-de-troias, malware, spyware. Eu vi a lista num dos menus do software.

Não preciso fazer muitos comentários sobre o produto, basta dizer que ele limpou eficazmente todos os arquivos contaminados do Netbook, e também dos três pen-drives que ele utiliza para seus trabalhos acadêmicos.

Este Portable Antivirus removeu os vírus do Netbook, e permitiu-o utilizar esta ferramenta de estudo que tanto o ajuda, e no entanto, estava mais atrapalhando do que ajudando.

Você não tem mais desculpa de andar pelos computadores de seus famíliares e de seus colegas de faculdades, e de trabalho, disseminando estas pragas virtuais. Dê o exemplo, instale-o em seus dispositivos, e alerte seus amigos, colegas e famíliares quando o computador deles tentar contaminar o seu dispositivo.

ScreenHunter_03 Dec. 22 14.37

O Portable Antívirus, permite que se faça atualizações de suas vacinas. Você também pode, através do menu, Task (tarefa) instala-lo no seu dispositivo móvel.

Aqui em casa, ao testá-lo, todos os momentos em que se pluga um pen-drive, cartão de memória, e ou qualquer outro tipo de mídia removível, ele detecta.

Avisa da conexão, e solicita permissão de verificar a existência de elementos suspeitos.

Modo de operação

O Portable Antivirus tem quatro botões a serem utilizados, se você não desejar modificar as configurações do software. Veja a imagem abaixo:

ScreenHunter_04 Dec. 22 14.50

  • O primeiro, busca por atualizações;
  • O segundo, faz uma busca em um arquivo que você tenha alguma suspeita;
  • O terceito, faz uma busca em uma pasta que você suspeita estar gravado arquivos maliciosos;
  • O quarto, onde tem a lupa com SCAN NOW, você faz uma busca geral no seu sistema de informática.

Produto similar

ClamWin Portable é a versão pronta para usar do antivírus gratuito e de qualidade ClamWin. Ele possui todos os recursos básicos da versão padrão do programa, com a diferença de não precisar ser instalado, podendo ser acessado com muita praticidade diretamente de um pendrive ou CD, no computador que precisar.
Entre as características gerais do programa, você vai encontrar:

  • Interface descomplicada e fácil de usar.
  • Alta taxa de detecção de vírus e spywares.
  • Atualizações e escaneamentos agendados desabilitados, se adequando às necessidades de um programa portátil.
  • Rastreamento contra vírus em arquivos individuais
  • Racismo e Pedofilia no programa do Jô Soares?

    Li o texto, no blog de Luma : Comentários racistas e pedófilos sobre a mulher angolana no programa de Jô Soares geram onda de protesto no Brasil; neste, a indignação da Mailsa e do Aldo.

    Porém, a indignação, bem como todo e qualquer esforço contra a entrevista será inútil se tão somente forem verdadeiras as informações. Se é verdade que na região mencionada a escolha dos homens adultos para suas atividades sexuais seja a escolha de crianças na faixa etária entre 7,8 e 9 é preocupante.

    É intolerável para nossa cultura e meio social, porém, ainda que seja uma prática sexual considerada criminosa aqui no Brasil, as informações apresentadas nos fazem crer que por estas regiões, e grupos sociais, é uma prática comum. É passível de intervenção por parte de autoridades e organismos internacionais? Porque não vemos e não soubemos de nenhum movimento contra tais práticas? O que sei, e que foi veiculado por longo tempo, a história daquela outra mulher que fugiu de sua região por que se recusava a praticar a excisão, que o entrevistado afirmou ser práticado por ato de algumas mulheres, e não, por imposição social desta região citada.

    Não adiantará uma ação contra o programa, contra o entrevistador e o entrevistado pelo que foi relatado. O fato dele ter revelado tais práticas no programa, não configura crime de racismo e de pedofilia pela emissora, pelo entrevistador e o entrevistado. Ou seja, o fato de alguém narrar um ato, não o torna praticante do mesmo.

    Se é verdade tais informações, e parto da premissa que seja, o que se pode fazer para mudá-las? Processar o programa, a emissora e o entrevistador certamente não é o melhor caminho. Por outro lado, não consegui ver nos relatos do entrevistado tendencia ao Etnocentrismo. O entrevistado, faz a descrição do que ele viu e do que teve conhecimento na região, e não faz criticas aos costumes, nem os compara com a sua cultura e meio social.

    Eu não conheço a cultura angola a ponto de dizer que é mentira o que ele disse, mas, também não posso dizer que o que ele disse não faz sentido algum. Antes de escrever o texto, vi o video (Sex in Life in Angola) pelo menos 3 vezes. Minha indignação é saber que se viva em tais circunstâncias na Angola e ou outros países e regiões do continente africano, ou seja, pior do que ter dado a entrevista, é se, o conteúdo da entrevista for verdade! Isto sim é pior!

    Se o negros adultos escolhem crianças para ato sexual, é um costume local e tribal que a ONU e os governos, as ONG´s deveriam operar para se acabar com tais costumes e tradições, e não se posicionar contra uma entrevista, e sair criando uma idéia falsa do que não existiu. Não há no vídeo nenhum tipo de racismo, nem etnocentrismo, talvez pedofilia, mas, não por parte do entrevistado e do entrevistador, bem como, é considerado pedofilia aqui em nosso meio. Cabe os orgnismos internacionais tomarem medidas necessárias para que este costume seja abandonado e extirpado das regiões citadas.

    Há muitos elementos culturais citados na entrevista, e para quem trabalha com a área de exportação de cosméticos, uma boa idéia é começar a investir na região para que se venda e compre produtos melhores para se passar nos cabelos das mulheres de lá.

    Aqueles que acharam que houve racismo e pedofilia no programa do Jô, eu digo que não entendeu a entrevista, não viu o vídeo de forma imparcial e justa, já o viu com o olhar voltado para a interpretação citada.

    Não comungo das opiniões dos autores do texto que a Luma fez a citação no Blog, mas, achei interessante algumas praticas sociais que vi no video da entrevista. Por exemplo:

    1. A questão da herança;
    2. A questão do pagamento pelo adultério;
    3. A marcação dos parceiros sexuais;
    4. A identifiação social da filha do chefe;
    5. A prova de que o homem é macho;

    Crime passional.

    Não! O amor não mata! Em todas as suas formas descritivas, o amor é um sentimento em que, quem diz senti por outrem, o desejo é semelhante á descrição dos poetas, dos românticos, ou seja, é um sentimento de dedicação; um sentimento de atenção e sempre voltado para o bem de quem se ama.

    O amor não tem como efeito colateral a perda das faculdades racionais. Quem tem este efeito, de se impor sobre a razão e a lucidez é a paixão. Esta sim, é obtusa!

    O termo crime passional, está diretamente ligado a PAIXÃO, e não ao amor. Os susceptíveis de paixão, sim, comentem crimes. Em nome deste sentimento violento, obsessivo, intenso e comumente confundido com o amor, é que se cometem os brutais crimes que se tem noticias.

    O amor em todas as formas descritas (incondicional, familiar, sexual e amizade) não tolera o sofrimento daquele que se ama. Quem sente amor, sempre procura o bem de quem se ama. Quem de ama, ainda que sofra, consegue suportar as mais difíceis situações por este amor. Quem ama, consegue racionalizar o perigo e as complicações dos atos. O amor é alimentado pela esperança. Pela esperança de que, seja reconhecido, que seja aceito, que seja correspondido. E, não existindo nenhuma correspondência, assim mesmo, o amor espera, sofre, resigna-se.

    Não é aceitável, seja quem for, a explicação, de que agiu desta maneira irascível e incontrolável por que não teve seu amor correspondido. Que por amor cometeu atos violentos. Nenhum ato de violência é justificado com a frase: “fiz por amor!“

    A idéia que se tem do amor, bem como, muitos outros valores e sentimentos, vem sofrendo interpretações diversas do que eles representam e são. Não se deve usar o amor para justificar suas deficiências e seus descontroles emocionais. Quem ama, faz exatamente o contrário do que estes violentos seres fazem. O amor protege. O amor cuida. O amor sustenta. O amor é justo. O amor é até injustificável. O amor não exige um rol de característica, preferências e atributos.

    Quem ama, se comporta com amor e tão somente! Nada mais é exigido! Todas as atitudes regidas pelo amor geram mais amor, justiça, cuidado e proteção, nunca geram violência e morte. Há incompatibilidades entre o amor a violência e a morte. O amor não gera estes, mas estes, insistem em querer ser filhos do amor. Perturbação do gênero.

    Você acredita em tudo que ouve, vê e lê?

    Eu e alguns amigos vivemos na contramão de algumas informações. Quase ninguém nos apoiam em nossas questões e em nossos “delírios”. Mas, isto perdura até que aparece algum cientista com status suficiente e informações suficiente revelando algo que já advogamos.

    Abaixo algumas informações que questionavamos e que já existem alguns já defendendo tais idéias, bem como algumas que brevemente serão questionadas.

    1 – Câncer:

    1.1 – Câncer de Mama

    Um amigo há muito tempo questiona as informações e os tratamentos dos canceres. A esposa dele passou por um processo de mastectomia, ainda, que ele questionasse as informações sobre o câncer, o tratamento, e tudo que cerca tal doênça.

    Tais questionamentos, eu conheço, desde o inicio da década de 90, agora surge uma pesquisa sobre câncer de mama que dá o que pensar. Publicado pelo Archives of Internal Medicine, o estudo sugere que alguns cânceres de mama, mesmo agressivos e invasivos, podem simplesmente desaparecer. Sem tratamento. O corpo dá conta de eliminá-los.” Li a reportagem na Revista Veja. Na internet li no Blog do Noblat.

    Há informações sobre o câncer que faz com que existam pessoas tão angustiada sobre a doença, que minha cunhada, por exemplo, tem superticiosamente a idéia de que até em falar sobre o Cãncer, é possível atrair. Agora nos surge estes estudos dizendo que há canceres que aparecem e somem?

    1.2 – Cãncer de Prostata

    Para complicar. Em Salvador, teve um debate entre a classe médica sobre o assunto: Câncer de Próstata. Isto porque o INCA diz não recomendar o toque retal baseado em diversos estudos. Agora que nos informam? Estudo americano de 2007 diz “não existir evidência suficiente para recomendar ou para não recomendar o exame rotineiro do câncer de próstata com PSA e toque retal, uma vez que as evidências de sua efetividade são inexistentes, de baixa qualidade ou conflitantes e que o balanço entre benefícios e danos não pode ser determinado“. – INCA mantém restrições ao toque retal.

    Por outro lado, “80% disseram que o toque retal não é tão ruim quanto parecia e 90% se dispuseram a voltar regularmente” – Revista Metropole. Eu já desconfio de tudo isto, e uso tal informação para manter minha opinião que também foi cantada pelos Mamonas Assassinas: “Deus me livre nunca vão mexer no meu”

    2 – Evolucionismo X Criacionismo:

    Há muito que se debate sobre as teorias sobre a origem da vida. O debate acirra a cada lei, a cada artigo, em especial, quando se sabe que há escolas ligadas a alguma instituição religiosa que ensina ao lado da Teoria da Evolução os capítulos do Livro de Gênesis. – Matéria do Estadão.

    Há muito que tenho minhas opiniões e convicções. Quando viajei pela região de Irecê com Luiz Barreto, ele é geologo, debatiamos sobre algumas teorias. Ele discordava do que eu afirmava na época, porque dizia não haver informações cientificas que pudesse provar minhas idéias e conceitos. Agora já tenho algo (“Criatura unicelular parece deixar rastros como animal complexo. Descoberta põe em dúvida época do surgimento de seres multicelulares.”) que superficialmente favorece minhas opiniões. – Noticias do Terra

    3 – AIDS.

    Eu vejo com desconfiança as informações que nos chegam sobre a AIDS. Eu duvido das informações como chegam. A desgraça, como diz um amigo, é que eu lembro e relacionou uma informação com outra, e no entanto, Kátia reclama que esqueço de algumas outras… é mesmo uma desgraça. Voltando à AIDS, veja abaixo a lista de minhas desconfianças:

    – 2003.: AIDS aumenta entre homens heterossexuais; – Informação do Governo

    – 2004.: AIDS aumenta entre as mulheres;

    – 2004.: AIDS aumenta entre negros e pardos; – Noticia do Terra

    – 2005.: AIDS aumenta entre as mulheres NEGRAS; – O Globo

    – 2008.: AIDS aumenta entre os mais escolarizados; – Jornal Cidade

    – 2008.: AIDS aumenta entre homens e mulheres com mais de 50 anos; Ouro Fino Online

    – 2008.: AIDS aumenta entre os idosos; – O Globo

    Tais informações me fazem desconfiar de que andam manipulando informações sobre esta questão. Afinal, é verdade tais informações acima? Quantos por cento são verdadeiras? Algum destes acima deixou de aumentar? Parou? Morreram todos? Porque e como a AIDS pode aumentar entre as mulheres? Elas são mais promiscuas ou existe um infectador comum, e ou, existe uma outra informação não revelada? Será que minha mulher tá contaminada?

    4 – Seis milhões e meio:

    Informações de que entre 1933 e 1944, quando Hitler era o lider máximo na Alemanhã, seis milhões e meio de Judeus foram assassinados me faz questionar a logistica atual. entre 1941 e 1944, 12.000 judeus eram mortos por dia em câmaras de gás. Além dos judeus, centenas de milhares de outras pessoas consideradas ameaças ao regime nazista, e racialmente inferiores foram também assassinados.”

    Não questiono nem a quantidade de mortos diários em Auschwitz, fico curioso é com o fim que se dava aos corpos, uma vez que os cabelos eram usados em estofamentos. Não me admirarei se aparecer alguma empresa vendedo tais artefatos.

    Afinal, o que se fazia com 12.000 corpos todos os dias? Será que conseguiam dar fim aos corpos antes de federem? Se enterraram, quantos metros daquela região, se conseguem cavar sem encontrar uma ossada?

    O crematório da Vila Alpina, na zona Leste da cidade (São Paulo), denominado “Dr. Jayme Augusto Lopes”, um dos maiores do mundo, tem a capacidade de cremar 15 corpos por dia. Quantos crematórios existiam na Europa naquela época? Quantos crematórios ou quantas caldeiras industriais foram usadas para cremar os 12.000 corpos lá da região de Auschwitz? Tire suas conclusões.

    1. A história do Holocausto – Visão Judaica;
    2. Seis milhões realmente morreram? – Visão Revisionista;

    Conclusão:

    Há muito que questiono as informações que nos chegam. Questiono fatos históricos. Questiono informações da física. Indago sobre informações de pesquisa. Questiono sobre economia. Duvido da politica.

    São tantas informações desencontradas, apontando para direções diferentes, excludentes, que eu posso até afirmar que “Eu jamais iria para a fogueira por uma opinião minha, afinal, não tenho certeza alguma. Porém, eu iria pelo direito de ter e mudar de opinião, quantas vezes eu quisesse.” Friedrich Nietzsche.