RESOLVER: é para esta realidade que devemos estar preparados e qualificados!

Faz alguns anos, lá no início do Android como sistema operacional de dispositivos móveis encontrei com um amigo no mercado. Este amigo tentou me convencer a mudar de foco em relação ao padrão vigente de sistema operacional. Tentou me convencer que era a hora de sair do Windows e focar os estudos no Linux/Android para que eu pudesse sobreviver num futuro próximo de dominação Linux/Androidiana!

Naquele dia, disse que, meu foco continuaria o mesmo, e o de sempre: Aparelhos com sistema operacional necessitam de intervenção técnica para reiniciar, formatar, restaurar, reinstalar, formatar… etc. E, a base que eu tinha no Windows seria suficiente para os demais sistemas operacionais. E, que eu necessitaria de algumas horas para entender e resolver problemas na plataforma Linux/Android. De vez em quando, recebo algum serviço em plataformas não Windows. Já resolvi problemas em Mac, Linux/Android aproveitando conhecimentos técnicos que tenho em Windows.

Desde ontem, estou com um tablet da marca M7s, com Linux/Android. Ele está travado numa tela do sistema operacional Android, que insiste em não permitir ao usuário utilizar o aparelho. Parece ser algo simples e comum. No entanto, nenhum conhecimento que tenho, nem tão pouco, outras dicas do suporte, foram suficientes para destravar o tablet.

Nestes casos, devo procurar uma solução, a não ser formatar e ou restaurar o equipamento ao recovery factory, que perderá todos os dados e aplicativos do proprietário, pois, não é possível acessar as configurações, realizar uma sincronização e um backup de dados e configurações.

Não desisti e por mais de 8 horas procurei uma solução nos manuais e fóruns sobre o sistema operacional Android. Encontrei a solução, unindo informações diferentes, que foram:

– Desativando os serviços do Google Play;

– Desativando e deletando as atualizações;

– Desinstalando atualizações recentes;

– Limpando o Cache;

– Reiniciando o Tablet;

– Restaurando as configurações…

– Alguma outra atividade que tenha esquecido de mencionar.

Em suma, os aparelhos, sejam da plataforma Windows, Android/Linux ou Mac, inevitavelmente necessitam de intervenção técnica. E, é para esta realidade, que devemos estar preparados e qualificados!

Depois do controle e intromissão do governo, chega as corporações também!

Não é de hoje que reclamo da intromissão do governo brasileiro sobre o cidadão e nativo, tanto quanto do naturalizado. A intromissão vai desde a proibição de usar, fazer, falar, ir e vir, etc. E, também não estamos isentos da realidade, amplamente explorada em filmes e séries que é, sermos controlados e ter que obedecer e prestar obediências às ordens das corporações. Afinal, tanto governo, quanto corporações, insistem na tese de que, não sabemos, e ou, não temos competência, tempo, disposição… etc., suficientes para tomar as decisões e realizar o que deve ser feito.

Um exemplo da intromissão das corporações, pode ser vista na imagem abaixo!

A Kaspersky, líder mundial em soluções de segurança, me ofereceu hoje (18/07/2017) a lista de softwares existentes em meu PC que necessitavam de atualizações. Esta mesma funcionalidade está presente em outros softwares de segurança tais como: Nod, Avast, AVG e Avira!

Depois do controle e intromissão do governo, chega as corporações também!

Não é de hoje que reclamo da intromissão do governo brasileiro sobre o cidadão e nativo, tanto quanto do naturalizado. A intromissão vai desde a proibição de usar, fazer, falar, ir e vir, etc. E, também não estamos isentos da realidade, amplamente explorada em filmes e séries que é, sermos controlados e ter que obedecer e prestar obediências às ordens das corporações. Afinal, tanto governo, quanto corporações, insistem na tese de que, não sabemos, e ou, não temos competência, tempo, disposição… etc., suficientes para tomar as decisões e realizar o que deve ser feito.

Um exemplo da intromissão das corporações, pode ser vista na imagem abaixo!

A Kaspersky, líder mundial em soluções de segurança, me ofereceu hoje (18/07/2017) a lista de softwares existentes em meu PC que necessitavam de atualizações. Esta mesma funcionalidade está presente em outros softwares de segurança tais como: Nod, Avast, AVG e Avira!

Você pode ser vítima de sua própria astúcia!

Infelizmente existem pessoas com comportamento indesejável exercendo certa profissão, que, ao contrário de fazê-lo crescer e o tornar nobre e pertencente ao grupo profissional, exerce a ação contrária, faz com que se desconfie da classe profissional, do grupo pertencente e ou manchando sua família, um seguimento ou toda a categoria. Exemplos não faltam.

Se uma igreja acolher um homossexual! Se uma igreja acolhe uma prostituta! Se uma igreja acolhe um assassino! Se uma igreja acolhe um corrupto! Se uma igreja acolhe um pedófilo! Se uma igreja acolhe um viciado em drogas! Se uma igreja acolhe um mau afamado… não importa se uma das missões dadas à igreja seja justamente acolher o pecador, o desviado, aquele que fez e praticou o mau, o pecado, o crime, o delito… a igreja é vista com descrédito e é vista como alcoviteira!

Se um policial age de forma violenta com o cidadão, o ofende, o maltrata. Se um policial extrapola e passa a abusar do poder que o Estado lhe confere, raramente se individualiza a culpa, logo, se declara que toda a PM é bandida; muitos já começam a campanha em favor da “desmilitarização da PM”.

Se um mecânico…; se um eletricista…; se um pastor…; se um padre…; se um vereador, deputado, senador… etc. É isto! Por esta condição e situação, os demais membros de um grupo ou categoria, sofrem por tabela, pela má fama e por um comportamento de uns poucos indivíduos; ou seja, todo um grupo, ser rotulado e classificado injustamente pela conduta de um. Por outro lado, não se tem uma solução simples, a não ser, haver uma união e ação coordenada par extirpar, isolar tais pessoas envolvida em ilícitos e ilegalidades da categoria ou classe. O problema é resolver isto, sem causar problemas outros, do tipo, difamação, injuria e calúnia.

Um risco que colegas de profissão podem cometer é querer tomar a iniciativa e divulgar atitudes, ações, insinuar situações, se autopromover sobre tais situações e se auto vangloriar: “eu não sou assim”; “eu não faço isto”; “não é assim que se faz”… e por que digo que é risco? Por que, mesmo não sendo, se pode se tornar vítima da condenação que ajudou a divulgar. E, a situação é a seguinte: um técnico de informática está sujeito a várias e diferentes situações. Eu já estive em situação de julgar e de ser julgado.

Semana passada, fiz um atendimento em que me disseram: “Isto passou a acontecer depois que aquele técnico daquela empresa veio aqui!”… Outra funcionária insinuou: “acho que ele tirou alguma peça do computador”; “a rede piorou muito depois que ele mexeu…” Eu poderia concordar com elas! Perpetuaria e ajudaria a ampliar a má fama da classe. Mas, antes de fazê-lo me certifiquei de que havia acontecido. E, nada do que encontrei na empresa, havia ligação com o trabalho deste outro técnico, que nem sei quem foi/é.

Faz alguns anos que fui chamado à delegacia para testemunhar sobre o roubo de um HD de 20 GB. A cliente acusava o técnico que havia feito a instalação de tê-la roubada. A mulher desabou no chão da delegacia de joelhos pedindo perdão quando lhe informei que o filho dela havia vendido o HD e as memórias para um amigo. E, havia sido eu quem tinha instalado no computador do outro amigo.

Já fui vítima de difamação também. Um cliente me chamou à empresa pois, outro técnico havia detectado que uma placa de vídeo, devidamente anotada na etiqueta do computador, não estava presente. Ele foi deselegante, frio, insensível e completamente grosseiro comigo, pois, julgava que eu lhe havia roubado. A situação inverteu-se quando pedi à secretária dele para pegar a Nvídia Gforce 128mb que lhe havia pedido para guardar pois estava com defeito. Entreguei-lhe e o relembrei: Lembra quando te notifiquei que tiraria a placa de vídeo, e usaria a placa onbord? – Ele ficou sem graça! Mas, nossa relação de serviço e pessoal se quebrou.

Aos aventureiros que pensam obter vantagens sobre a má fama de certas pessoas que trabalham inevitavelmente em alguma categoria, tome cuidado! Você pode ser vítima de sua própria astúcia!

O que é necessário para iniciar a programar computadores?

Estou auxiliando uma estudante a responder as questões da primeira lista de programação! Nem sei se ela vai me pagar pelas bancas e auxílios prestados. Mas, faço, mais interessado em ajudá-la a “aprender a lógica e a programação” do ter interesse pecuniário. A referida pessoa depois de meses estudando sistemática e metodicamente o que foi orientada a estudar, se julgava incapaz de continuar o curso, e, se rotulou como incapaz de aprender a programar, e, se declarou burra por não ser capaz de realizar as atividades propostas.

Como é amiga de meus filhos, de minha esposa, e, passa algum tempo conosco, me solicitaram intervenção na situação. Conversei com a pessoa no sábado! Uma das questões da lista de exercício era a questão abaixo transcrita?

 

A jornada de trabalho semanal de um funcionário é de 40 horas. O funcionário que trabalhar mais de 40 horas receberá hora extra, cujo cálculo é o valor da hora regular com um acréscimo de 50%. Escreva um algoritmo que leia o número de horas trabalhadas em um mês, o salário por hora e escreva o salário total do funcionário, que deverá ser acrescido das horas extras, caso tenham sido trabalhadas (considere que o mês possua 4 semanas exatas)

 

1 – O aluno não sabe por onde começar!

Ela não entende por que motivo não consegue resolver a questão! Para explicar as dificuldades dela, eu peguei um papel e uma caneta e lhe fiz as seguintes exigências:

1 – Se você recebe R$ 1.000,00 por mês, quanto você ganha por dia?

2 – Quanto você ganha por hora?

3 – Ao fazer hora extra, o valor da hora aumenta 50%, quanto valerá a hora?

Passados alguns minutos ela concluiu que não sabia calcular o valor do dia, nem o valor da hora, e, por conseguinte, não sabia calcular 50% do valor da hora! Assim, a dificuldade dela excede “a obrigação do professor” de programação de computares. Ela deve aprender a resolver estes problemas de cálculos matemáticos, ou, de solução de problemas lógicos. Saber como encontrar respostas. Para consegui avançar em seus estudos sobre lógica de programação de computadores. Tanto quanto, muitas vezes, até existe paralelo a disciplina de programação, aulas de matemática e raciocínio lógico matemático, no entanto, não se “percebem” a estreita ligação entre as matérias!

2 – O aluno deve aprender as sintaxes e os comandos das linguagens!

Somente após o alunado saber encontrar respostas de perguntas é que se facilitará a introdução de fato do ambiente de programação, conhecimento sobre a IDE, conhecimentos típicos e necessários da linguagem em questão.

3 – A resposta para a questão sugerida

A solução para o exercício proposta passa por:

a)- Perguntar: Quantas horas foram trabalhadas no mês?

b)- Perguntar: Qual é o valor de uma hora trabalhada?

c)- Diminuir o total de horas trabalhadas pelo total de 160 horas mensais, que corresponde à 40 horas semanais, multiplicado por 4 semanas para saber a quantidade de horas extras trabalhadas no mês; (Exige saber as quatro operações básicas da matemática: somar, diminuir, multiplicar e dividir)

d)- Calcular o valor das hora extra, mais 50% do valor digitado, conforme está no item b; (tem que saber pelo menos calcular percentagem e regra de três, matérias do ensino médio)

e)- Somar o valor do salário total com o valor das horas extras acrescido de 50%

3 – Inércia do professor

Professores de programação nas instituições de ensino, que não tem paciência de ensinar tais conteúdos básicos e que faz parte das exigências aos alunos de saberem estes conceitos básicos e necessários no dia-a-dia, não apenas à programação de computadores. Somente, após, dominar estas matérias básicas, o aluno, até poderá crescer e buscar realizar programas que exijam outros conhecimentos matemáticos, físicos e de outras matérias de exatas para a realização de seus trabalhos de programação.

4 – A codificação e solução da questão.

Pensando em alunos iniciantes em programação, eis abaixo, um exemplo de código para entender como é que se consegue resolver estes problemas.

Na codificação acima proposta, se pode observar o início do programa; a sessão de declaração de variáveis, a execução e leitura de dados na tela para o usuário, os cálculos das horas extras, salário mensal, valor da hora com 50%, e o salário total. Na parte final, exibe os resultados. Na linha 28, uma demonstração de que se pode, ao exibir na tela, realizar processamento.

 

Anúncios relevantes: O Windows 10 se revela como sendo um adware?

Recebi a notificação de privacidade do Windows 10. Li as opções e vi a seguinte informação da imagem abaixo destacado com marcação em vermelho:


Adware: definição.

Em outras palavras, o Windows 10, tem um comportamento de Adware. Por definição, um adware “é qualquer programa de computador que executa automaticamente e exibe uma grande quantidade de anúncios sem a permissão do usuário. As funções do adware servem para analisar os locais de Internet que o usuário visita e lhe apresentar publicidade pertinente aos tipos de bens ou serviços apresentados lá. Os adwares também são usados de forma legítima por empresas desenvolvedoras de software gratuito. Nesse caso, a instalação é opcional e suas implicações estão previstas no contrato de licença exibido durante a instalação.” – Wikipédia: Adware. 

O Windows gera um ID de publicidade exclusivo para cada utilizador num dispositivo que os programadores da aplicação e redes de publicidade podem utilizar para fornecer publicidade mais relevante nas aplicações. Quando o ID de publicidade é ativado, as aplicações podem aceder e utilizá-lo tal como os sites podem aceder e utilizar um identificador exclusivo armazenado num cookie. Assim, os programadores de aplicações (e as redes de publicidade que estes utilizam) podem utilizar o seu ID de publicidade para fornecer publicidade mais relevante e outras experiências personalizadas nas suas aplicações.

Nota do Windows 10 sobre os ANÚNCIOS RELEVANTES:

 

Ao desativar o ID de publicidade não reduzirá o número de anúncios que vê, mas poderá obter anúncios menos interessantes e relevantes para si. Se voltar a ativar esta funcionalidade, o ID de publicidade será reposto.

 

Pelo que se pode interpretar da nota é uma informação inibidora. Se você desativar a coisa, pode ser pior! Ou você aceita os anúncios e permite a “nós controlamos os anúncios de acordo com o que vamos analisando de como você usa os dispositivos e os aplicativos” OU ENTÃO, você desativa e receberá anúncios “menos interessantes e relevantes para si”. A verdade é que, não há como ficar sem receber anúncios relevantes, mesmo desatiando-os.